Pastoral da Mulher de Juazeiro realiza preparatório para o 6º encontro de mulheres.


Realizou-se na Pastoral da Mulher /Unidade Oblata-BA, o encontro preparatório para o 6º encontro de mulheres “Tecendo Histórias, Construindo Caminhos”.

O momento contou com a participação de 10 mulheres, onde foi realizado uma atividade reflexiva sobre os caminhos percorridos pelas mulheres desde sua vida pessoal até a vivencia na Pastoral da Mulher.

O encontro foi conduzido pelas trabalhadoras sociais Adjany, Ellen Sabrina e Railane que recepcionaram as mulheres promovendo espaços de escuta. Cada mulher partilhou seus sentimentos diante de sua história de vida.

Foi possível ouvir e perceber relatos riquíssimos sobre dores, medos, alegrias, conquistas, sonhos e a gratidão pelo trabalho desenvolvido através da Pastoral da Mulher, onde a história da instituição se entrelaça com a das mulheres.


Além desse momento realizou-se também uma atividade atrativa na qual abordou-se o dia da consciência negra, principalmente sobre as mulheres negras, sendo este espaço conduzido por Ioná demonstrando através da dança o poder do povo negro.  Refletiu-se também a relevância de canalizar sentimentos positivos como: o respeito mútuo, o afeto e amor pelo próximo.


Juazeiro recebe a Ronda Maria da Penha

Viatura da Ronda Maria da Penha em Juazeiro
Na última quinta-feira, dia 19/11, foi lançada em Juazeiro a Ronda Maria da Penha, um núcleo da Polícia Militar da Bahia para prevenir e coibir possíveis casos de agressão às mulheres, bem como auxílio à justiça nas medidas protetivas. A inauguração contou com a presença de diversas autoridades como o Comandante Geral da PM, Coronel Anselmo Brandão, e do Comandante de Policiamento Regional Norte, Tenente Coronel Neves. também estiveram presentes diversas representações de instituições e movimentos de mulheres como a Pastoral da Mulher com a presença de Joice Oliveira, educadora.

Movimento de mulheres do Poder Público e sociedade civil se fazendo presente no ato.
Toda essa estrutura é devido ao alto índice de violência contra as mulheres registrados no município. A Ronda será mais um instrumento para colaborar na redução desse índice alarmante, pois além da proteção ele também vai buscar a conscientização das pessoas, especialmente dos homens.

A Ronda Maria da Penha funcionará de segunda a sexta-feira, das 07h às 19h, e contará com o apoio de uma viatura e assistência administrativa. A sede da Ronda Maria da Penha estará situada na Vara contra a Violência da Mulher.

Da esquerda para direita: Tenente Nadjane (responsável pela Ronda), Coronel Anselmo, Sueli Argolo (CMDDM), Maria José (Secretaria de Saúde), Isaac Carvalho (Prefeito), Lindsai (Secretaria da Assistência Social), Maisa (CIAM), Marli (PSB - Mulher) e Joice Oliveira (Pastoral da Mulher)

IV CONFERENCIA ESTADUAL DE POLITICAS PÚBLICAS PARA MULHERES – UM OLHAR SOBRE UMA DÉCADA DAS MULHERES.


Nos dias 11, 12 e 13 de novembro de 2015, a cidade de Salvador ficou mais feminina com a realização da 4ª edição da Conferência Estadual de Política para Mulheres onde reuniram-se 1.051 mulheres, representantes dos 27 territórios do Estado.
Estiveram presentes 1.051 mulheres dos mais diversos seguimentos de organização, sendo do poder público e sociedade civil. Mulheres organizadas e reunidas para o debate das políticas públicas implantadas e ainda os desafios que temos que superar
   
Por falar em nossos avanços e desafios, conseguimos neste encontro ter um panorama da última década sobre o que conseguimos alcançar enquanto política pública e o que ainda precisamos avançar.

Conquistamos muitos direitos dentre eles a criminalização da violência doméstica, o seguro saúde para mulheres com câncer, a licença maternidade, a igualdade no matrimonio, assistência jurídica para mulheres encarceradas, o atendimento a mulheres vítimas de violência pelo SUS, implantação de secretarias de políticas para mulheres nos estados e municípios, entre outros.

Segundo Lúcia Bacelar, cientista política e uma das palestrantes da conferência, conquistamos muitos benefícios durante esta década, mas ainda não alcançamos avanços em relação a questão do aborto e direitos relacionados as mulheres LGBT. Mesmo diante das diversidades de lutas que travamos, sofremos problemas comuns que resultam em relações de dominação, exploração e opressão.

Também estamos vivendo atualmente um momento de ameaça às conquistas das mulheres através das reações políticas apresentadas e resistências, devido a uma agenda neoconservadora e regressiva de direitos da Câmara que mantém o patriarcado através da força da bancada BBB (bala, bíblia, boi). Por outro lado, a política brasileira não considera as questões de gênero e raça. Fala se muito, faz-se pouco. De fato, estamos vivendo parecidamente com o tempo das trevas onde os direitos conquistados estão sendo violados.

Outro grande desafio que nos atinge é o feminicídio onde a taxa de mulheres mortas tem sido crescente, sendo em maioria como vítimas mulheres jovens. Foram registrados neste ano cerca de 110 mulheres mortas em Salvador, onde 50,3% foram cometidas por familiares. Outro dado alarmante é que há uma diferença significativa entre mortes de mulheres brancas e negras. Segundo pesquisas, houve um decréscimo de morte das mulheres brancas para 9,8%. Porém há um aumento considerável de homicídio das mulheres negras para 54%.

Como balanço, vê-se que o movimento de mulheres foi fundamental para a conquista dos direitos femininos nas esferas da vida social e política. Apesar dos obstáculos acima citados devemos valorizar a vivencia de uma geração de mulheres informadas, conectadas, conscientes das desigualdades de gênero. É a época que pode ser chamada de “Primavera das mulheres”.

Entre estas, outras reflexões foram feitas como a importância de a mulher inserir-se nos espaços políticos partidários e de poder onde assim possamos incorporar nossos direitos, afinal a política deve ser nossa. Contudo não conseguimos entrar, por exemplo, nos partidos políticos pela grande força da oligarquia masculina. Somente através de organização, investimento na formação política, recursos para os núcleos de mulheres, identificando líderes e tendo legitimidade junto à opinião pública é possível marcar os coletivos de mulheres com suas bandeiras e lutas, na busca pela conquista d@s eleitores com as ideias que defendemos.

Foi um momento muito significativo e que nós da Pastoral da Mulher valorizamos de ter participado de mais essa edição em companhia de uma das mulheres acompanhadas por um dos grupos de comunidade: Cinara – Grupo Gmel. Ela na sua simplicidade e capacidade de reflexão sobre sua realidade conviveu durante estes três dias com essa diversidade feminina e contribuiu muito com este processo como também relatou que aprendeu. Ainda fomos eleitas para representar a Bahia na edição nacional que ocorrerá em Brasília, em março de 2016.

E assim retornamos revigoradas com a sensação de que a luta continua e que não estamos isoladas e continuamos em marcha até que todas sejamos livres.


Joice Oliveira Ferreira
Educadora social - Pastoral da Mulher/Juazeiro-BA


Mapa da Violência 2015: Políticas de prevenção e de enfrentamento à cultura de violência são essenciais para diminuir feminicídios no país


Dos 4.762 homicídios de mulheres registrados em 2013, 50,3% foram cometidos por familiares, sendo a maioria desses crimes (33,2%) cometidos por parceiros ou ex-parceiros. Isso significa que a cada sete feminicídios, quatro foram praticados por pessoas que tiveram ou tinham relações íntimas de afeto com a mulher. A estimativa feita pelo Mapa da Violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil, com base em dados de 2013 do Ministério da Saúde, alerta para o fato de ser a violência doméstica e familiar a principal forma de violência letal praticada contra as mulheres no Brasil.


Resultado de imagem para mapa da violencia 2015


Acesse a íntegra no Portal Compromisso e Atitude: Mapa da Violência 2015: Políticas de prevenção e de enfrentamento à cultura de violência são essenciais para diminuir feminicídios no país (Portal Compromisso e Atitude, 11/11/2015)

Fonte: http://agenciapatriciagalvao.org.br/violencia/mapa-da-violencia-2015-politicas-de-prevencao-e-de-enfrentamento-a-cultura-de-violencia-sao-essenciais-para-diminuir-feminicidios-no-pais/

Juazeiro é palco de Celebração da Consciência Negra


Na ultima sexta-feira, 06, foi o Lançamento do Novembro Negro "Juazeiro discutindo a Intolerância ao Genocídio". Esta é uma ação da Prefeitura Municipal de Juazeiro, em parceria com o Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial. Para o sucesso dos eventos que estarão acontecendo nos meses de novembro e dezembro, é preciso que as pessoas se mobilizem em favor do movimento. 
Cada um de vocês que são parte dessa construção, e têm um papel fundamental. O Dia da Celebração da Consciência Negra, será 20 de Novembro, a partir das 16h, concentração no Shopping Águas Center em Juazeiro, seguindo pela Avenida Adolfo Viana até a Rua da 28 onde terá apresentações culturais e Show Musical.



Contamos com todas vocês!

Pastoral da Mulher participará da 4ª. Conferencia Estadual de Políticas para as Mulheres

A Secretaria de Políticas para as Mulheres da Bahia (SPM-BA) e o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Mulher (CDDM) irão realizar a 4ª Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia (CEPM).

A CEPM será realizada nos próximos dias 11, 12 e 13 de novembro, no Gran Hotel Stella Maris, em Salvador.

O tema da conferência será “Mais direitos, participação e poder para as mulheres”, que será abordado através de quatro eixos temáticos, sendo eles: I - Contribuição dos conselhos dos direitos da mulher e dos movimentos feministas e de mulheres para efetivação da igualdade de direitos e oportunidades para as mulheres em sua diversidade e especificidades: avanços e desafios; II – Estruturas institucionais e políticas públicas desenvolvidas para as mulheres no âmbito municipal, estadual e federal: avanços e desafios; III – Sistema político com participação das mulheres e igualdade: recomendações; IV – Sistema Nacional de Políticas para as Mulheres: subsídios e recomendações.

As conferências

As Conferências Estaduais, Municipais, Territoriais e Livres de Políticas para as Mulheres são frutos da luta dos movimentos de mulheres e feministas. São nestes espaços que as mulheres debatem os desafios e barreiras que impedem o seu pleno desenvolvimento social, político e econômico.

A diversidade e complexidade dos vários segmentos de mulheres são apresentadas, discutidas e sistematizadas em documentos contendo propostas a serem consideradas na formulação de novas políticas públicas. É por esta razão que as conferências são grandes conquistas da sociedade civil organizada, sendo um marco da democracia participativa no Brasil.

A Pastoral da Mulher por sua vez será representada pela pedagoga Joice Oliveira, que é educadora social e Cinara Reis, mulher assistida e convidada para o evento.
"Ressalto aqui a importância da participação da Pastoral da Mulher nesse espaço para debater e lutar pela garantia de direitos das mulheres no município de Juazeiro e todo estado baiano." Declarou Joice Oliveira.


Participe do Cantinho da Beleza na Pastoral da Mulher



Nas tardes de sexta feira são oferecidos serviços de design de sobrancelhas às mulheres assistidas na Pastoral da Mulher. A atividade que tem como objetivo principal, motivar as mulheres a vivenciar um processo de acompanhamento na instituição, vem conseguindo atrair muitas mulheres devido à variedade e qualidade do serviço.
A sobrancelhas podem ser feitas de diversas forma, de acordo com o desejo de cada mulher, podendo ser da forma tradicional, apenas com tesourinha e pinça, maquiada e com rena.






Participe do cantinho da beleza da Pastoral da Mulher e fique linda!

O cantinho da beleza acontece todas as sextas feiras à tarde na sede da Pastoral da Mulher, à partir das 13:30h.