Equipe da Pastoral da Mulher debate sobre tráfico humano, com propósito de multiplicar a ação

 
.
Na última quarta-feira, 19 de março de 2014, na sede da Pastoral da Mulher de Juazeiro aconteceu um momento formativo para a equipe de agentes sociais da Pastoral, sobre a temática da Campanha da Fraternidade 2014, “Fraternidade e Tráfico Humano”, que busca a conversão pessoal, comunitária e social.
O momento foi mediado pela Coordenadora da Pastoral da Mulher, Fernanda Lins e a Educadora Social, Railane Delmondes, que trouxeram histórias reais de pessoas que foram traficadas e que conseguiram se libertar. Abordaram também a definição e os dados sobre o tráfico humano na região, no país e no mundo; como também a realidade do tráfico de mulheres para exploração sexual.
A Organização das Nações Unidas (ONU), no Protocolo de Palermo (2003), define tráfico de pessoas como “o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo-se à ameaça ou ao uso da força ou a outras formas de coação, ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou à situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins de exploração”. 
Atualmente o tráfico de mulheres é uma das modalidades do tráfico de pessoas mais praticadas no mundo; em sua essência, se presta a escravidão sexual, à venda da mulher como objeto sexual, muitas vezes contra a sua vontade.
Segundo estimativas do Instituto Europeu para o Controle e Prevenção do Crime, cerca de 500 mil pessoas são traficadas de países mais pobres para este continente por ano. Quanto ao tráfico de pessoas para fins sexuais, estima-se que 98% das vítimas em todo o mundo são mulheres.
Com o propósito de agentes multiplicadores da ação, a Pastoral da mulher tem favorecido o debate em espaços externos, despertando nas pessoas a reflexão sobre essa problemática, especialmente na região onde se é percebida a ocorrência do tráfico de pessoas para fins de exploração sexual e trabalho escravo.
 

O momento foi mediado pela Coordenadora da Pastoral da Mulher, Fernanda Lins e a Educadora Social, Railane Delmondes

Fonte: Pastoral da Mulher de Juazeiro

Grupo de Teatro da Pastoral da Mulher de Juazeiro prestigia espetáculo em Petrolina/PE

 
 
Com o objetivo de conhecer o universo cênico, o Grupo de Teatro da Pastoral da Mulher, Mariart’s, esteve no último sábado (22), no Teatro Dona Amélia - SESC Petrolina/PE prestigiando o espetáculo do grupo de Teatro Popular de Arte “A Pena e a Lei”, uma obra de Ariano Suassuna, sob direção de Domingos Soares.
Acompanhadas por Tamirys Riesemberg, agente da Pastoral, as mulheres acompanharam a encenação que envolve a disputa do amor de Marieta entre Benedito, um negro esperto, e dois valentões da cidade. Personagens típicas do imaginário nordestino escrito por Suassuna.
Após o espetáculo, que teve duração de 1h30, as mulheres do Grupo Mariart’s demonstraram a alegria de terem assistido a uma peça, bem como, ter vivenciado um pouco mais da experiência do espaço teatral. Elogiaram e tiraram fotos com os atores, que, gentilmente, as convidaram para assistir as próximas apresentações e incentivaram a continuar com o grupo de teatro.
A beleza do teatro, desde as poltronas, luzes, clima, maquiagens, até os figurinos e o cenário eram motivos de admiração por parte das mulheres. O que fortaleceu a autoestima delas e ampliou o desejo de montarem um espetáculo maior.
A noite se encerrou com entusiasmo, já que muitas nunca tinham ido ao teatro.

Fonte: Pastoral da Mulher de Juazeiro/AssCom

Agentes da Pastoral da Mulher de Juazeiro participam de encontro de formação para a Campanha da Fraternidade 2014

O tráfico humano é uma realidade aviltante, pois atenta contra a dignidade e a liberdade humana. Na certeza de que “é para a liberdade de Cristo nos libertou” (Gl. 5,1), a Igreja do Brasil, neste ano de 2014, propõe o aprofundamento da reflexão, sobretudo durante o tempo quaresmal, da realidade do tráfico de seres humanos. Este é na verdade a forma mais comum de escravidão em nossos dias.
Entre os dias 07 e 09 de março de 2014, a Diocese de Juazeiro/BA promoveu um encontro de formação, que aconteceu no distrito de Carnaíba do Sertão, pertencente ao município. O objetivo foi apresentar e refletir a realidade do tráfico de pessoas, bem como discutir estratégias de combate ao tráfico que serão desenvolvidas nas várias paróquias e pastorais que compõem a Diocese de Juazeiro.
 O encontro teve a assessoria do Frei Xavier Plassat, um frade dominicano francês, residente no Brasil, que se destaca pela sua atuação na Comissão Pastoral da Terra e na luta contra o trabalho escravo contemporâneo no Brasil e da coordenadora da Pastoral da Mulher de Juazeiro/BA , Fernanda Lins, que discorreu sobre o tráfico de mulheres para fins de exploração sexual e enfatizou a realidade da prostituição na cidade.
Segundo frei Xavier, a melhor estratégia de combate ao tráfico humano é, primeiro, “abrir o olho”. “Se o tráfico continua e prospera é porque ele se beneficia de sua invisibilidade”, alerta o frei dominicano. Segundo, negar a tendência de se naturalizar a situação do trabalho forçado e indigno como sendo algo normal ou mesmo cultural. Em seguida, acolher as vítimas e não ter medo de denunciar esta realidade de trabalho explorado às autoridades competentes.
Muitas crianças e adolescentes são também exploradas sexualmente. “O tráfico para fins de exploração sexual não faz a captação só de mulheres adultas. Crianças e adolescentes podem ser captadas pela rede do tráfico e aí a gente vê que hoje na modalidade existe também o sexo virtual, a pedofilia, que é tudo parte deste contexto. Infelizmente, existem muitas adolescentes, tanto aqui na região como no Brasil todo sendo exploradas sexualmente”, afirmou Fernanda Lins, que juntamente com a Pastoral da Mulher faz parte da Rede um Grito Pela Vida, que é uma rede de religiosas articulada com a rede internacional Talita Kum, responsável pelo trabalho de sensibilização para com o tráfico.
Desconstruir a imagem externa do Brasil como sendo um “paraíso do turismo sexual” é fundamental na luta contra o tráfico para fins de exploração sexual. Apesar de existiram várias instituições que lutam contra o tráfico sexual, o Brasil ainda estar engatinhando no combate à exploração sexual. “Infelizmente o tráfico ainda é uma realidade pouco conhecida, acontece do nosso lado, mas muitas pessoas ainda não conhecem. A gente já ouviu depoimentos de mulheres que vão para fora e que dizem ‘eu nem sabia que isso era tráfico, que eu estava sendo traficada’”, relevou Fernanda Lins.
Os participantes do encontro de formação, após refletirem sobre a realidade do tráfico humano em suas comunidades, propuseram várias estratégicas que podem ser trabalhadas durante a Quaresma, bem como neste ano de 2014 e que certamente ajudarão a conscientizar as pessoas a respeito do tráfico humano. Organizar mobilizações com o apoio de parceiros empenhados na luta contra o tráfico, formular denúncias junto a entidades, como, por exemplo, a CPT, alertar a população sobre a realidade do tráfico de pessoas durante as romarias em defesa da vida e nas festas de padroeiros e fazer campanhas contra o comércio de pessoas nas rádios comunitárias foram algumas estratégias apresentadas. Ademais, ficou acertada a confecção de um folder a nível diocesano com informações importantes sobre o tráfico humano e que poderá ser divulgado nas mobilizações e nas escolas.
Na noite cultural, a Pastoral da Mulher e a CPT fizeram uma homenagem às mulheres presentes na Assembleia, pela passagem do dia 08 de Março, Dia Internacional da Mulher. E o grupo de teatro Mariart’s, formado pelas mulheres da Pastoral, apresentaram a peça “Chamas da Revolução”, que retrata a criação do dia “08 de Março” – Dia Internacional da Mulher, contando a história de milhares de mulheres que morreram queimadas na fábrica, lutando por melhores condições de trabalho.
Railane Delmondes e Fernanda Lins

Fernanda Lins enfatizou a realidade da prostituição na cidade.


Fonte: Pastoral da Mulher de Juazeiro

A ARTE INVADE E TRANSBORDA

No último dia 19 de março o Grupo de Teatro Mariart's, (composto por mulheres atendidas pela Instituição) se reuniram na sede da Pastoral para mais um encontro. 
Para dar boas vindas a novas integrantes, foi proporcionado um mergulho pelas artes. Embaladas pela música Alegria (Cirque du Soleil) as mulheres puderam saborear a emoção de se transformar em personagem/ protagonista. O cenário exalava cultura e representava as sete artes (música, cinema, dança, escultura, literatura, pintura e teatro). 
O momento foi regado pela alegria, imaginação e sonhos.



A ARTE E A POESIA

Se é arte refletir toda beleza,
Artista é sua forma de expressão.
Se a arte é visão da natureza,
Artista é quem a exprime em sensação.

Na tela, uma aquarela, uma pintura,
Num livro, uma estampa ou gravura,
No bronze ou numa pedra, a escultura,
Na música, uma bela partitura.

Contuto é o poeta que traduz,
Do homem, a verdadeira emoção,
Sentindo o que lhe vai ao coração.

Em arte, a poesia é da alma a luz,
Unindo o que é sentido, num momento,
Reflete com beleza sentimentos.
(Manuel Virgílio e Wilma Langer)


Confira mais desse momento mágico: 


Pastoral da Mulher de Juazeiro recebe visita do Governo Geral


Cumprindo parte do cronograma de visitas as Unidades Oblatas no Brasil, nos últimos dias 27 e 28 de fevereiro, a Pastoral da Mulher de Juazeiro - Unidade Oblata na região do Vale do São Francisco recebeu a visita do Governo Geral do Instituto das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor, composto por cinco Irmãs Oblatas vindas de Madri - Espanha.
O motivo da visita do Governo Geral, que tem a Irmã Lourdes Perramon como Superiora Geral, e as Irmãs: Roseli Consoli, Julita Nunez, Rosário Echarri e Luz Angélica Garcia Plata, como Conselheiras, foi de conhecer melhor a realidade das Mulheres em situação de prostituição em Juazeiro, bem como vivenciar um pouco das ações da Pastoral da Mulher de Juazeiro, que tem 35 anos de atividade com as mulheres inseridas no contexto da prostituição.
Diante desse objetivo, no último dia 27/02, a equipe de agentes da Pastoral da Mulher, liderada pela coordenadora Fernanda Lins, acompanhou a Superiora Geral, Ir. Lourdes Perramon, e a Conselheira, Ir. Roseli Consoli, ao encontro de um grupo de mulheres que batalham a noite. Neste encontro, as Irmãs Oblatas puderam dialogar com as mulheres sobre diversos temas do universo feminino, bem como, suas queixas, expectativas, saúde e a garantia de direitos.
Ainda dando continuidade ao processo de conhecimento da realidade das mulheres em situação de prostituição na região de Juazeiro, a equipe da Pastoral da Mulher se reuniu com o Governo Geral para uma apresentação das ações desenvolvidas pela Unidade Oblata, onde foi apresentado dados da realidade das mulheres inseridas no contexto da prostituição, principalmente aquelas que são atendidas pela instituição, além dos desafios enfrentados pela Unidade. Após esse momento, as irmãs caminharam pelas ruas do centro da cidade, conhecendo alguns locais onde as mulheres exercem a prostituição durante o dia.
Encerrando o período de visita, as Irmãs também puderam participar das atividades na sede da Pastoral, a exemplo da Roda de Conversa, assistiram a apresentação do Grupo de Teatro da Pastoral, que encenou a peça "Chamas da Revolução", que retrata a criação do dia “08 de Março” – Dia Internacional da Mulher; bem como acompanharam a oficina de pastéis, o momento de espiritualidade, que resgatou o legado de Madre Antônia, em celebração aos 116 anos da sua páscoa  e a celebração das aniversariantes do mês.
Para Fernanda Lins, Assistente Social, coordenadora da Pastoral da Mulher de Juazeiro, “essa visita do Governo Geral foi de grande importância para que as Irmãs, além dos documentos e relatórios apresentados pela Pastoral, vivenciem através das visitas in loco, a realidade das mulheres que exercem a prostituição aqui na nossa região”.
De Juazeiro, a Irmãs que compõem o Governo Geral seguiram para São Paulo, onde participam do Capítulo Geral da Província Santíssimo Redentor, evento do Instituto das Irmãs Oblatas que escolherá nova coordenadora geral para as Unidades dos países da América do Sul (Argentina, Brasil e Uruguai) e Angola, na África.




 
Irmãs Oblatas e Equipe da Pastoral da Mulher
Irmãs Oblatas em Visita aos Bares 


Apresentação da Peça Teatral Chamas da Revolução- Origem do 08 de Março
Espiritualidade Oblata- Páscoa de Madre Antônia


Carisma Oblata
Oficina Rápida de Pastel
 
Tod@s reunidas ao fim da tarde