Estupros no Brasil geram debate sobre divisão de classe e gênero

Rio de Janeiro – Os ataques impressionaram a cidade. Num deles, o agressor apontou uma arma para a cabeça de uma mulher de 30 anos enquanto a estuprava na frente dos passageiros de um ônibus que circulava por uma avenida importante.

Estupros no Brasil geram debate sobre divisão de classe e gênero
 
Rio de Janeiro – Os ataques impressionaram a cidade. Num deles, o agressor apontou uma arma para a cabeça de uma mulher de 30 anos enquanto a estuprava na frente dos passageiros de um ônibus que circulava por uma avenida importante. Em outro, uma garota de 14 anos de uma favela foi violentada numa das praias mais famosas da cidade.
 
Em outro caso, homens sequestraram e estupraram uma trabalhadora dentro de uma van enquanto esta cruzava áreas densamente povoadas. A polícia não investigou e, na semana seguinte, os mesmos homens violentaram uma estudante norte-americana de 21 anos na mesma van, batendo em seu rosto e espancando o acompanhante com uma barra de metal.
 
'Infelizmente, teve que acontecer com ela antes que me ajudassem', declarou a brasileira violentada na van. 'Eu fiquei pensando: 'Será que isso teria sido evitado se tivessem prestado atenção ao meu caso?'.'
 
A onda recente de estupros no Rio – alguns captados por câmeras de vídeo – chama atenção às contradições não resolvidas de uma nação que chega à maioridade como potência mundial. O Brasil tem uma mulher presidente, uma mulher como poderosa comandante da polícia e uma mulher na chefia de sua estatal petroleira – e mesmo assim, somente após uma norte-americana ter sido estuprada as autoridades se envolveram para valer e prenderam suspeitos.
 
De certa forma, a experiência do Brasil lembra eventos recentes na Índia e no Egito, onde ataques medonhos causaram indignação e um exame de consciência, revelando fissuras profundas em cada sociedade. No Brasil, teve início um debate quanto ao fato de as autoridades estarem mais preocupadas em defender os privilegiados e a imagem internacional do Rio do que em proteger as mulheres em geral.
 
Na Índia, a morte recente de uma estudante, violentada por um bando enquanto o acompanhante era espancado num ônibus em circunstâncias similares, ressaltou a visão dominante de que as mulheres, independentemente do progresso alcançado, continuam sendo alvos válidos, desprotegidas por um governo ineficaz.

Passengers in line to board a public bus in Rio de Janeiro, May 17, 2013. A recent wave of rapes in Rio have cast a spotlight on the unresolved contradictions of a nation that is coming of age as a world power. (© Mauricio Lima/The New York Times)
E no Egito, onde o colapso do antigo estado policial levou a um surto de agressões sexuais na Praça Tahrir, no Cairo, islamistas conservadores donos de nova coragem culpam publicamente as mulheres, dizendo que elas atraem os ataques.
 
Talvez seja paradoxal que a questão tenha surgido com tanta força no Brasil, país que atuou bastante para proteger e promover os direitos das mulheres. Existem vagões especiais para elas nos trens, para evitar que sejam apalpadas, como em partes da Índia. Existem delegacias especiais, onde a maioria dos cargos é ocupada por mulheres. E existe uma visão geral que considera as mulheres iguais, totalmente capazes de se destacar até mesmo nos cargos mais poderosos.
 
'Estamos vivendo uma situação esquizofrênica na qual progressos importantes levaram as mulheres a ocupar posições de influência em nossa sociedade', disse Rogéria Peixinho, diretora da Articulação de Mulheres Brasileiras. 'Ao mesmo tempo, a situação de muitas mulheres pobres permanece atroz.'
De fato, a discussão pública sobre a série de estupros no Rio estava relativamente abafada até que a estudante norte-americana fosse atacada no final de março, depois de tomar uma van em Copacabana, bairro à beira-mar frequentado por turistas. Para especialistas, o motivo seria o de que as primeiras vítimas eram em grande medida pobres ou operárias, refletindo uma das batalhas mais duradouras do Brasil: a extrema divisão de classes na sociedade.
 
'Para uma grande parcela da liderança política, esses estupros só viram motivo de preocupação se afetarem uma pessoa rica ou prejudicarem a imagem do país no exterior', disse Malu Fontes, colunista de jornal que criticou a falta de atenção dada aos estupros de mulheres pobres no Rio, que se prepara para sediar a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.
 
'Gostamos de acreditar no Brasil que vivemos num lugar feliz e tranquilo, quando, na verdade, nossa existência é muito mais complicada. É como se fôssemos Narciso se contemplando no esgoto.'
 
As autoridades de segurança pública do Rio reconhecem que estão enfrentando um aumento acentuado no número de estupros notificados, que subiram 24 por cento no ano passado, chegando a 1.972 na cidade. Contudo, para elas, o aumento ocorreu em escala nacional, refletindo uma mudança na legislação, acontecida em 2009, que ampliou a definição de estupro para incluir penetração oral e anal, além de tentar facilitar que as mulheres prestem queixa.
 
O Brasil tem avançado bastante na tentativa de reduzir a violência contra a mulher. Na década de 1980, o país foi um dos pioneiros na criação de delegacias da mulher com policiais femininas para ajudar as vítimas a registrar violência doméstica, agressões sexuais e outros crimes ligados ao gênero. E em 2006, foi criada uma lei de âmbito nacional estabelecendo tribunais especiais para processar atos de violência doméstica com sentenças mais severas.
 
Mesmo que as autoridades cariocas tenham tido sucesso em reduzir índices de crimes violentos como o homicídio, os estupros recentes concentraram nova atenção aos perigos de se tomar ônibus e vans na cidade, uma parte essencial da vida de muitos moradores.
 
Após o estupro da estudante norte-americana, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, anunciou a proibição das vans, que são privadas e muitas vezes operam sem autorização, na abastada Zona Sul do Rio. A proibição gerou críticas segundo as quais o prefeito estava dando prioridade à segurança de áreas litorâneas ricas em detrimento de bairros pobres onde as vans continuam circulando.
 
Segundo o porta-voz do prefeito, a proibição não estava ligada aos estupros, mas fazia parte de um plano de transporte público mais amplo que estaria sendo cogitado há meses. Ainda de acordo com o porta-voz, o prefeito também proibiu as vans de escurecer as janelas, numa tentativa de impedir crimes dentro dos veículos.
 
Autoridades do Estado do Rio de Janeiro asseguram que os estupros em ônibus, vans ou vagões do metrô representaram menos de um por cento dos casos nos últimos anos. 'Não existem sinais de uma epidemia de estupros dentro do transporte público', disse Pedro Dantas, porta-voz da secretaria de segurança pública do Rio.
 
Ainda assim, a série de casos no Rio, como o estupro de uma garota de 12 anos num ônibus no ano passado, faz parte de um padrão maior de ataques e assédio dentro de veículos de transporte em várias cidades, incluindo dois estupros neste mês perto da capital, Brasília. Na cidade de Curitiba, os vereadores estão analisando uma lei para a adoção de ônibus somente para as mulheres.
 
Eleonora Menicucci, ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, observou que nenhum país estava imune a crimes chocantes contra as mulheres, citando o sequestro e o longo cárcere privado de três mulheres em Cleveland.
 
Segundo ela, o Brasil tem trabalhado arduamente para incentivar as mulheres a denunciar casos de estupro, garantindo que os criminosos seriam processados independentemente do perfil dos agressores ou das vítimas.
 
A ministra citou um caso na cidade de Queimadas, onde seis homens de circunstâncias relativamente privilegiadas foram rapidamente presos, julgados e condenados no ano passado pelo estupro coletivo de cinco mulheres, duas das quais foram assassinadas após reconhecerem os criminosos.
 
Porém, os críticos continuam céticos, argumentando que o principal motivo de o estupro da menina de 14 anos de uma favela ter chamado a atenção foi a fato de o crime ter ocorrido na praia em frente ao Leblon, um dos bairros mais exclusivos do Rio.
 
Sérgio Cabral, governador do Rio, qualificou o estupro da estudante norte-americana de 'atrocidade', mas enfatizou não esperar que o caso afete a imagem do Rio, a qual, a seu ver, estava vivendo um 'momento vigoroso com grandes eventos e investimentos'.


Fonte: http://nytsyn.br.msn.com/colunistas/estupros-no-brasil-geram-debate-sobre-divis%C3%A3o-de-classe-e-g%C3%AAnero#page=4

Papa pede que mafiosos parem de explorar pessoas e se arrependam

Francisco fez apelo após a oração do Angelus, no Vaticano. Máfia ainda tem forte influência na sociedade italiana.

O Papa Francisco falou neste domingo (26) contra organizações mafiosas e que praticam a exploração e escravização de pessoas e pediu aos mafiosos que se arrependam, em palavras que lembraram um forte apelo feito 20 anos atrás pelo papa João Paulo II.
 
Falando de improviso após a oração semanal do Angelus, na praça de São Pedro, Francisco falou sobre a máfia pela primeira vez desde que se tornou papa, dois meses atrás.
 
Assassinatos de personalidades pela máfia italiana têm declinado desde a década de 1990, mas por meio de atividades como a prostituição, extorsões e tráfico de drogas, ela ainda possui pesada influência no país e em sua economia.
 
Francisco lembrou do exemplo do padre siciliano Giuseppe Puglisi, contrário à máfia, que foi assassinado por atiradores em 1993 e que foi beatificado neste sábado.
 
"Meus pensamentos estão no sofrimento de mulheres, homens e também crianças que são exploradas pelas máfias que fazem deles escravos, por meio da prostituição, por meio de muitas pressões sociais", disse o Papa.
 
 
O Papa Francisco neste domingo (26) durante o Angelus (Foto: AP)
 

A Pastoral da Mulher, Unidade Oblata Juazeiro, comemora hoje a vida de todas as aniversariantes do mês de maio, desejamos a todas saúde, paz, esperança, confiança, entusiasmos e realizações, que Padre Serra e Madre Antônia possam está juntos a elas em cada momento.

Curaçá promove evento contra abuso e exploração sexual

 
Sábado, 18 de maio, aconteceu um evento de reflexão ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes realizado pela Prefeitura Municipal de Curaçá, por meio da Secretaria Municipal de Ação Social e Cidadania – SMASC. O evento começou com uma grande caminhada pelas principais ruas de Curaçá, saindo da Praça José G. Luna indo até o Teatro Raul Coelho, a qual teve participação de vários estudantes de escolas municipais e estaduais da Cidade, e também participaram membros do PETI, grupos de capoeira e fanfarras locais. No Teatro Raul Coelho houve apresentações de danças, fantoches e grupo de capoeira, todos passando mensagens de incentivo às denuncias contra o Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.
 
O “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”, instituído pela Lei Federal 9.970/00, no dia 18 de Maio, é uma conquista que demarca a luta pelos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes no território brasileiro. Esse dia foi escolhido porque em 18 de maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), um crime bárbaro chocou todo o país e ficou conhecido como o “Caso Araceli”. Esse era o nome de uma menina de apenas oito anos de idade, que teve todos os seus direitos humanos violados, foi raptada, estuprada e morta por jovens de classe média alta daquela cidade. O crime, apesar de sua natureza hedionda, até hoje está impune (http://saojoaquimonline.com.br).
 
Em Curaçá, Mobilização do 18 de Maio se estendeu até essa segunda, 20, com uma blitz na feira, em que veículos foram abordados com o objetivo de deixar o adesivo com a logomarca do Movimento. Muitos condutores aderiram. Além disso, houve um ato público. “Precisamos denunciar, só a denúncia aos órgãos públicos vai acabar com esse problema que se mantém presente justamente devido o silêncio das vítimas e das pessoas que veem e não denunciam”, frisou Emerson Leitão, Conselheiro Tutelar. A Mobilização contou com a colaboração de toda rede sócio assistencial, CREAS, CRAS, Conselho Tutelar, CMDCA, CMAS, SAÚDE, EDUCAÇÃO E CAPS. As Secretarias Municipais de Governo, Administração e Finanças, Desenvolvimento Rural, Infraestrutura, Saúde e Educação fizeram parte da parceria junto com o Ministério Público, Policia Militar, SAAE, Igrejas, Teatro Raul Coelho, Ejucc, Mercadinho Varjão, Supermercado Pague Menos e Câmara de Vereadores, e Cras II das Agrovilas.
 
 

Sucesso do XI Encontro da Rede Oblata e do Seminário Internacional

 
Aconteceu durantes os dias 14 a 16 de maio o XI Encontro da Rede Oblata, apoiado pela CESE e  com a participação das equipes das Unidades Oblatas do Brasil, Argentina e Uruguai, na Casa de Retiro São José em BH.
 
 
Durante o primeiro dia contamos com a  assessoria do advogado e militante dos Direitos Humanos Renato Roseno. Ele debateu conosco  os ‘Desafios no Enfrentamento às dinâmicas de exploração sexual de mulheres  nos mega-eventos”, destacando as inúmeras violações de direitos humanos de crianças e adolescentes e chamando a atenção para  o por quê da realização dos mega eventos no Brasil e quais as intencionalidades. 
 
 
 
 
Renato Roseno criticou a Federação Internacional de Futebol Associação (FIFA), por estar  interessada apenas na rentabilidade financeira que o evento irá proporcionar. Seu propósito é o máximo lucro, nem que para isso seja necessário destituir direitos. Destacou também as violações de direito s já presentes, como o caso das remoções e descolamentos forçados; o higienismo social, com a limpeza das ruas por meio do recolhimento e internação compulsória e a criminalização do protesto social, por meio de proposta de agravamento de penas; alteração de marcos legais e ampliação de dispositivos de controle que afetam principalmente a população pobre.
 
Na abordagem do tema “Legislação sobre as Redes de Exploração Sexual e de tráfico de pessoas”, o palestrante explicou como a legislação brasileira vinha tratando os crimes sexuais como crimes contra os costumes ainda. E ainda é uma legislação que não está adequada aos paradigmas dos direitos humanos.
 
 
Durante o segundo dia escutamos os depoimentos de mulheres vítimas da exploração sexual e do tráfico de seres humanos e pudemos compartilhar as pesquisas que as diversas unidades oblatas realizaram sobre as estruturas que promovem a exploração sexual e o tráfico de seres humanos em cada uma das cidades onde a Rede tem presença.
 
O último dia planejamos algumas ações concretas de enfrentamento a essas estruturas que promovem a exploração nos diferentes locais e elaboramos uma carta aberta de denuncia dirigida à sociedade e aos órgãos competentes, que foi lida no Seminário Internacional realizado na tarde do dia 16  como conclusão de nosso Encontro na sede da OAB-MG.
 
 
 
 
O Seminário, que teve 180 pessoas inscritas, de diferentes Entidades e Movimentos de todo o Brasil , contou com a presença por vídeo conferencia de Susana Trimarco ( a qual infelizmente, por motivo de saúde não conseguiu viajar a Bh tal como estava previsto)  e a palestra sobre “A realidade no Brasil do Trafico de seres humanos com fins de exploração sexual “ por Roseli Consoli.
 
 

Rede Oblata

Confira os bastidores do 1ª dia da Rede Oblata 2013 em :

http://www.youtube.com/watch?v=OBs8ZQPPZS0&feature=youtu.be

Acontece em Petrolina Semana de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

criança violência
 
Durante toda esta semana várias atividades, como oficinas e palestras, serão realizadas em Petrolina com o objetivo de orientar a população a garantir o direito de crianças e jovens do município. As ações fazem parte da Semana de Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes, promovida pela Secretaria de Desenvolvimento Social e Trabalho (Sedest).
 
Nesta segunda (13), às 19h, aconteceu uma palestra na Escola Odete Sampaio, no bairro Jardim São Paulo. Hoje (14), adolescentes da Prestação de Serviços à Comunidade (PSC) e da Liberdade Assistida (LA) irão participar de atividades no Centro de Referência Especializada em Assistência Social (CREAS), a partir das 9h.
 
Também no CREAS acontecerá, na quinta-feira (16), às 10h, uma roda de diálogo com representantes das instituições da Rede de Garantia de Direitos. Na sexta (17), haverá um apitaço no semáforo da orla, às 8h. Já a partir das 14h é a vez de uma palestra no Tribunal de Justiça, Centro da cidade. Às 18h ainda está marcada outra palestra sobre o tema, no prédio da Unopar, no bairro Areia Branca, Zona Leste de Petrolina.
 
De acordo com a assessoria de comunicação da prefeitura, qualquer pessoa interessada poderá participar das atividades, especialmente gestores e coordenadores de escolas, alunos do Projovem e do curso de Serviço Social, além de representantes de instituições.
 
A ação faz parte da campanha pelo Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infanto-juvenil, criado em 18 de maio de 2000 pela Lei Federal nº 9970/00, com objetivo de mobilizar e sensibilizar a sociedade brasileira para o assunto.
 

Angelina Jolie retira seios para evitar câncer de mama

Homossexual, Thammy Miranda sofre preconceito no meio artístico - 1 (© AgNews)
 
Angelina Jolie surpreendeu ao revelar que decidiu retirar os seios para diminuir as chances de desenvolver câncer de mama.
Em entrevista ao jornal 'The New York Times', a atriz disse que se submeteu a mastectomia dupla em fevereiro deste ano e que o processo se completou em abril. 'Decidi ser proativa e reduzir o risco o máximo que eu podia', contou.
Segundo Jolie, os médicos estimaram que suas chances de desenvolver câncer de mama eram de 87%, e de 50% para câncer no ovário. 'A verdade é que tenho um gene falho, o BRCA1, que aumenta consideravelmente minhas chances de desenvolver câncer de mama e câncer de ovário.'
Durante a conversa, a estrela de Hollywood revelou ainda o medo em ter que deixar seus seis filhos sem mãe - a atriz perdeu precocemente a própria mãe, que morreu aos 56 anos, depois de quase uma década de luta contra o câncer.
'Eu me sinto segura de que fiz uma escolha dura e que de maneira nenhuma diminuí minha feminilidade', afirmou. 'Para qualquer mulher que esteja lendo isso, espero que isso ajude você a saber que tem opções', disse ela, que diminuiu as chances de desenvolver a doença para 5% após a mastectomia.
Angelina também fez questão de agradecer o marido, o ator Brad Pitt, pelo apoio e amor durante o procedimento de nove semanas.

Equipe da Pastoral da Mulher de Juazeiro participa de Seminário Internacional com indicada ao Prêmio Nobel da Paz

Tendo em vista a realização do XI Encontro da Rede Oblata, que acontece em Belo Horizonte/MG, de 14 a 16 de maio, integrantes da Pastoral da Mulher de Juazeiro, vinculada ao Instituto das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor, estarão participando de capacitação promovida no evento.
Com o tema “ENFRENTANDO AS ESTRUTURAS QUE PROMOVEM A EXPLORAÇÃO SEXUAL E O TRÁFICO DE SERES HUMANOS” o XI Encontro da Rede Oblata terá como palestrante nos dias 15 e 16/05, a ativista Susana Trimarco – que luta contra o Tráfico de Pessoas, indicada ao Prêmio Nobel da Paz em 2013.
Susana Trimarco, que vem diretamente da Argentina para o encontro em Belo Horizonte, luta há onze anos contra o Tráfico de Seres Humanos e busca uma filha traficada.
Desde 2002, quando sua filha Maria de Los Angeles, conhecida por ('Marita') desapareceu aos 23 anos de idade, Susana Trimarco e família, passaram a procurá-la por inúmeros lugares até receber a informação de que ‘Marita’ estaria se prostituindo num bordel. Desde então, Susana passou a enfrentar o Tráfico de Seres Humanos na esperança de evitar que novas pessoas sejam vítimas dessa rede mundial de tráfico.
O que parece ficção ou tema de novela, é pura realidade. A dor de ter conhecimento que sua filha havia sido traficada e obrigada a prostituir-se, fez com que Susana Trimarco levantasse a bandeira no mundo inteiro contra o Tráfico de Seres Humanos, viajando à vários países, concedendo palestras, recebendo prêmios por seu ativismo contra o tráfico e mais além, visitando bordéis na esperança de encontrar a filha.
O evento que contará também com a presença de Roseli Consoli, integrante da Rede “Um Grito pela Vida” e do Instituto das Irmãs Oblatas, é voltado para a sociedade em geral, mas, principalmente, para assistentes sociais, pedagogos e profissionais que atuam na área social.
A equipe da Pastoral da Mulher de Juazeiro participará da capacitação, visando os megaeventos, a exemplo da Copa das Confederações e a Copa do Mundo no Brasil, que proporcionam condições favoráveis para o aumento da prostituição e tráfico de pessoas.

Fonte: AssCom

Dia das Mães

 
 
 
A comemoração do Dia das Mães da Pastoral da Mulher teve muita alegria e animação. No clube do SINCERP as mulheres e seus filhos puderam desfrutar do banho de piscina, campo de futebol e parquinho. Depois do almoço, as mamães da Pastoral participaram de uma gincana muito divertida.

Juazeiro sediará evento sobre prevenção e diagnóstico precoce do câncer

câncer
 
Juazeiro sediará, no segundo semestre deste ano, a Jornada de Atualização, Prevenção e Diagnóstico Precoce do Câncer. O evento é a uma realização da Associação Baiana de Medicina (ABM), em parceria com um plano de saúde privado, Câmara de Vereadores e prefeitura.
 
A informação foi divulgada esta semana pelo vereador Dalmir Pedra (PP), que é da área de saúde. O público-alvo do evento serão os médicos do Vale do São Francisco, mas qualquer pessoa da área poderá participar - inclusive os estudantes.
 
A proposta é capacitar os profissionais para a prevenção e diagnóstico rápido da doença. “O câncer é uma doença que, quando é diagnosticada precocemente, pode haver cura na sua totalidade, ou seja, 100%”, disse o vereador.
 
 

Linguagem do sexo

O Brasil se qualifica para melhor receber os turistas durante os grandes eventos internacionais que acontecem nos próximos anos. Aprender inglês virou prioridade para quem deseja lucrar durante o período. As prostitutas de Belo Horizonte também não perderam tempo e estão fazendo cursos para melhor atender os clientes estrangeiros durante a Copa das Confederações e o Mundial de 2014.
 

Ivete Sangalo será embaixadora de campanha contra o tráfico humano





SÃO PAULO - Sempre engajada em causas sociais, Ivete Sangalo agora será a embaixadora da campanha contra o tráfico de pessoas, promovida pelo Ministério da Justiça e a Organização das Nações Unidas (ONU).
 
Segundo o jornal "Folha de S. Paulo", a campanha será lançada oficialmente na próxima quinta-feira (9).
 
O assunto ganhou mais espaço na mídia desde a estreia da novela global "Salve Jorge", em 2012, que trata especificamente de tráfico internacional de pessoas.

07/05/2013
Fonte: http://entretenimento.br.msn.com/famosos/ivete-sangalo-ser%c3%a1-embaixadora-de-campanha-contra-o-tr%c3%a1fico-humano

Representantes de Unidades Oblatas participam da 5ª Semana Social Brasileira – Regional 3 (Bahia e Sergipe)

Estado para que e para quem?

 

Representantes de duas unidades da Rede Oblata, Força Feminina (Salvador) e a Pastoral da Mulher de Juazeiro, participam do encontro regional da 5ª Semana Social Brasileira, em Feira de Santana/BA. Através das Semanas Sociais Brasileiras, cinco preocupações sempre estiveram presentes em seu contexto, história, motivações e resultados:
 

a) um diagnóstico da realidade sócio-política e econômica do país;

b) uma mobilização ampla de todas as forças vivas da sociedade (eclesiais e não eclesiais);

c) tomada de posição com relação a alguns compromissos concretos em âmbito global;

d) o protagonismo real e efetivo dos leigos;

e) o caráter propositivo dos debates.
 
Com o tema "Participação da sociedade no processo de democratização do Estado Brasileiro", o encontro que ocorreu durante três dias - de 03 a 05 de maio, contou com a participação de Joviniano Neto - Cientista Político, que propôs uma reflexão acerca do Estado e seu papel, considerando o processo desigual de distribuição de renda, que gera as sequelas percebidas na sociedade.

Com sete mini-plenárias, as unidades da Rede, representadas por Railane Delmondes - Unidade de Juazeiro, Louraine Carvalho e Rosilene Ferreira - Unidade Força Feminina (Salvador), participaram com Jaqueline Leite - coordenadora do CHAME - Centro Humanitário de Apoio a Mulher, da oficina sobre Tráfico de Seres Humanos, onde foram propostas maiores intervenções na sociedade que garantam formação a esta, acerca do tema, que em sua complexidade, demanda maior atenção para o enfrentamento e atendimento das mulheres em situação de tráfico, buscando atentar as diferenciações entre tráfico e prostituição, considerando que em ambos os problemas existem favoráveis para essa situação que intimamente ligada a todo processo histórico de violência às mulheres, reforçado por uma sociedade marxista e patriarcal, onde os papéis da mulher a estigmatizam e a põem em condições desfavoráveis na sociedade e consequentemente, estas se tornam mais vulneráveis as variadas violações de direitos.

É compreendendo a importância do trabalho em rede, que a ação com as mulheres seja garantida, não somente com o trabalho de acolhida, mas cada vez mais buscando a intervenção em outros espaços políticos e de controle social, visando romper com o processo de invisibilidade a que são postas as mulheres em situação de prostituição.
Railane Delmondes - Unidade de Juazeiro, Louraine Carvalho e Rosilene Ferreira - Unidade Força Feminina (Salvador), participaram do evento.

Ex-prostituta famosa em Arcoverde será homenageada pela Câmara de Vereadores

Nena Cajuína
 
Um acontecimento curioso envolvendo a Câmara de Vereadores de Arcoverde, no Sertão pernambucano, tem causado polêmica e gerado os mais diversos tipos de comentários entre moradores do município.
 
No último dia 15 de abril, a Casa aprovou por unanimidade uma proposta de homenagem à empresária Nivalda Rafael de Siqueira, mais conhecida como Nena Cajuína, uma prostituta famosa da cidade. Ela receberá a Medalha de Honra ao Mérito Cardeal Arcoverde, a mais alta comenda entregue pelo Legislativo, dada a personalidades que possuem serviços prestados no município.
 
O projeto é de autoria da parlamentar Célia Cardoso (PR), que não esconde a admiração por Nena. “É uma mãe de família, que veio de Custódia e começou a trabalhar cedo, lavando prato nas casas noturnas, para sobreviver. Ela trabalhou a vida inteira para dar uma vida digna aos filhos”, explica.
Conhecida por quase todos em Arcoverde, a homenageada também costumava ajudar às prostitutas que não tinham condições de criar os filhos. Uma dessas crianças, inclusive, foi adotada ainda recém-nascida pela vereadora, graças ao intermédio de Nena.
 
Prostituta assumida, dona Nivalda, hoje com 64 anos, começou no ramo aos 13. Atualmente, é proprietária de um bar no bairro de São Cristóvão, conhecido na região como “Colégio”, de onde tira seu sustento. Ela teve três filhos, sendo que apenas um deles, um pastor evangélico, continua vivo.
 
“Eu já tive muito cliente, mas hoje eu só vendo minha cervejinha mesmo”, diz. Além do bar, Nena ainda costuma montar barracas para comercializar bebidas em eventos que acontecem na cidade.
 
Preconceito
 
Mesmo com a homenagem da Câmara, o preconceito ainda existe nas ruas. Com certa frequência, Nena é alvo de piadas e, mesmo assim, não perde o bom humor típico de quem tem muitas histórias para contar.
“Tem homens que eram apaixonados por mim e hoje me chamam de vó, de tia”, revela. “Antigamente, quem tinha filho homossexual trazia os meninos para mim e eu dizia que era tudo macho. Quando chegavam perguntando, eu dizia logo que o menino tinha ‘ficado’ com umas três na mesma noite”, lembra, aos risos.
Apesar de a proposta da homenagem já ter sido aprovada, a data para a entrega da medalha segue indefinida. O motivo: Nena Cajuína mostra um pouco de resistência em receber pessoalmente a comenda. No entanto, a vereadora Célia Cardoso está certa de que ela irá ceder. Recentemente, uma moradora da cidade teria dito para dona Nivalda que ela não merecia receber o “diploma”, referindo-se à medalha. A resposta veio de imediato: “Minha filha, eu já tenho esse diploma desde os 13 anos”, brinca.
 

Caminhada de protesto para melhorias na saúde de Juazeiro


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
No dia 03 de maio de 2013, a sociedade civil de Juazeiro, se reuniu na Praça do Boi, para iniciar uma caminhada reivindicatória, por melhorias e garantias no acesso e atendimento à saúde.
O movimento saiu do ponto de concentração, seguindo pelas principais ruas do centro comercial, com uma breve parada no passo municipal, seguindo para secretaria de saúde.
Os participantes caminhavam, usando camisas brancas, segurando cartazes e faixas, contendo frases de protesto, acompanhados por um carro de som, no qual o locutor, narrava à situação de descaso e precariedade da saúde do Município.
No final da caminhada, conforme fora acertado, todos ficaram parados em frente à secretaria de saúde, com auxílio do carro de som, protestando suas indignações e insatisfações, finalizando com a participação da TV São Francisco, com filmagem e entrevistas de alguns participantes.


 

Novos casos de agressões a mulheres são registrados neste final de semana em Petrolina

Violência contra a mulher

 
O final de semana em Petrolina foi marcado por agressões a mulheres. O primeiro caso aconteceu na última sexta-feira (3), no perímetro de irrigação Maria Tereza (Quilômetro 25). O agricultor José Jorge Sobrinho, de 27 anos, foi detido por policiais militares após bater na sua companheira, Ecicleide Santos Nunes, 27.
Outro fato registrado pelo 5º Batalhão de Polícia Militar aconteceu no bairro São Gonçalo, Zona Oeste da cidade. O ajudante de pedreiro, Robson Peixoto Evangelista, 28, foi denunciado por ter agredido a doméstica Íris Gomes Nunes, 23, com quem vivia. Os dois agressores foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil, no Ouro Preto, para as medidas cabíveis.
 

AME do bairro Vila Eduardo realiza Mutirão de Saúde da Mulher

A equipe de profissionais da unidade de Atendimento Multiprofissional Especializado – AME Saúde da Família Bernardino Campos Coelho, no bairro Vila Eduardo, realizará, neste sábado (04), das 08h às 12 horas, um Mutirão de Saúde da Mulher. No intuito de prevenir o câncer de colo de útero, a unidade disponibilizará o exame preventivo ginecológico para todas as mulheres que chegarem à unidade, na faixa etária entre 25 e 59 anos.
De acordo com a coordenadora da unidade, Raíssa Brandão, a iniciativa é uma maneira de alertar as mulheres sobre a importância do cuidado com a saúde, para evitar o agravamento de doenças que podem ser tratadas, quando descobertas em estágio inicial. “O preventivo é a principal estratégia para detectar precocemente as lesões no colo do útero. Assim, podemos diagnosticar uma doença bem no início, antes que a mulher tenha os sintomas”, explica.
O preventivo é um teste realizado para detectar alterações nas células do colo do útero. Ele é indolor, simples, rápido e pode ser feito gratuitamente em todas as Unidades Básicas de Saúde ou unidades de Atendimento Multiprofissional Especializado – AME Saúde da Família do município. Para garantir um resultado correto do exame, é recomendável que a mulher evite o uso de duchas, medicamentos vaginais, anticoncepcionais locais e não tenha relações sexuais nas 48 horas anteriores a realização do exame. É importante também que a mulher não esteja no período menstrual.
 
 

Seminário