quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Férias coletivas

Amigas e amigos visitantes de nosso blog


Estaremos de férias coletivas durante este período festivo e retornaremos com nossas atividades a partir do dia 07 de janeiro de 2013.
 
Desejamos um Feliz Natal e um maravilhoso 2013 a tod@s.
 

Pastoral da Mulher finaliza suas atividades com uma animada festa natalina


 
Auto de Natal, almoço partilhado, dança, lembrança para as crianças. Este e outros momentos fizeram parte da Festa de Natal realizada pela Pastoral da Mulher de Juazeiro na última terça feira, dia 18/12 no clube de Cabos e Soldados.
Cerca de 150 pessoas, entre mulheres e filhos, compareceram ao momento e muito animadas aproveitaram bem a programação. A coordenadora Fernanda Lins fez a abertura do momento, animando a todas e lendo sua mensagem de prosperidade. Em seguida realizou-se o Auto de Natal com a dramatização do nascimento de Jesus em forma de cordel onde houve a participação das mulheres, algumas crianças e as agentes Joice Oliveira e Tamires Riesenberg.   
 
Depois foi feita uma rodada de mensagens onde as mulheres puderam expressar seus desejos para o ano de 2013 e avaliar como foi sua caminhada em 2012.
 

 
 
 
 
 
 
 
 
As crianças também não foram esquecidas e para elas foram preparadas sacolinhas de surpresas doces onde muito satisfeitas, receberam o agrado.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Foi servido o almoço muito gostoso onde todas puderam comer e confraternizar-se. Depois partilhou-se o bolo finalizando o momento.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A Pastoral da Mulher encerrou suas atividades entrando de férias coletivas e retornará no dia 07 de janeiro de 2013.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Pastoral da Mulher de Juazeiro realiza batismo coletivo com mulheres e seus filhos.


Pastoral da Mulher de Juazeiro realiza batismo coletivo com mulheres e seus filhos.
No dia 15 de dezembro, na Igreja do Cosminho em Juazeiro, a Pastoral da Mulher esteve realizando batismo coletivo de mulheres atendidas e seus filhos, totalizando 24 pessoas.
Com a celebração do Pe. Raimundo Jorge de Souza, pároco da Catedral, foi feito um momento bastante celebrativo, percebendo que tod@s estiveram muito integrados ao momento.
Simone e Cleonilda batizam seus filhos.
Após a celebração, todos se encaminharam à sede da Pastoral para uma confraternização com partilha de bolo, salgados e bebidas; trazidas pelas famílias.
 
Para a Pastoral, ficou o prazer de realizar este momento, já que surgiu de solicitações das mulheres em receber este sacramento para si e filhos. Reflete-se que o trabalho de espiritualidade é algo bastante valorizado pelo público.
 
 

Encerramento da oficina de beleza em 2012 é marcado por
momento orante entre mulheres

Na última sexta feira, dia 14/12, foi realizada na Pastoral da Mulher de Juazeiro-Ba, o encerramento da oficina de beleza com momento de espiritualidade sob a condução das agentes Ana Paula e Maria das Neves.
Com a temática “O sentido do Natal”, as mulheres expressaram suas vivências, valorizando o convívio em família, a paz, o amor e a união. Elas ainda partilharam suas expectativas para o próximo ano, onde com muito entusiasmo e fé agradeceram a Deus pela vida e pelo ano que se finda.
“Pra mim o Natal representa o nascimento de Jesus, o amor ao próximo e a vida.”, disse Elizabete Bonfim, uma das mulheres acompanhadas e que participaram do momento.
As atividades da Pastoral com as mulheres estão sendo encerradas até o dia 18/12 onde acontecerá a festa de Natal com todas.
 

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Entidade contesta parecer sobre cobrança extra para trabalho de parto

A Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia contestou nesta terça-feira (13) parecer do CFM (Conselho Federal de Medicina) que permite obstetras cobrarem de pacientes de planos de saúde pelo acompanhamento no trabalho de parto. Para o grupo de médicos paulistas, a assistência faz parte do procedimento do parto e não pode ser cobrada separadamente. "Se o valor pago é baixo, o paciente não tem nada a ver com isso", afirma o presidente da Sogesp, Cesar Eduardo Fernandes.
 
A advogada do Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), Joana Cruz, classifica a cobrança como abusiva. "A prática e a expectativa é que o médico, que faz o pré-natal, faça também o parto. E se a paciente for pagar um extra por uma cobertura que está contratada, isso se torna uma variação de preço que não está no contrato e representa uma obrigação extremamente onerosa."
O parecer foi feito a pedido da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), que agora deverá estudar o assunto. Segundo o texto, obstetras ficam liberados para cobrar um valor que garantiria à gestante o direito de ser acompanhada desde as primeiras contrações até o nascimento do bebê. A justificativa é a de que o parto, muitas vezes, leva várias horas e que operadoras de saúde pagam apenas pelo parto, não pelo acompanhamento. (Com informações da Agência Brasil)
Gestantes que aceitassem fazer o pagamento deveriam depois pedir o reembolso das operadoras de saúde. O valor, que seria acertado já na primeira consulta, garantiria a assistência integral. Gestantes que não aceitassem a proposta teriam de fazer o parto com o obstetra de plantão no hospital.
Por meio da assessoria de imprensa, o CFM afirmou que se manifestaria sobre o assunto só quando recebesse notificação da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia. Mas o conselho argumenta que não se trata de dupla cobrança, "pois o médico receberá apenas da paciente" e reafirma que o pagamento é opcional.
 
Cobrança extra
Na prática, a cobrança por fora para assistência integral já vem sendo realizada pelos médicos. Gestantes de planos de saúde têm três opções: pagar a taxa extra para atendimento integral, fazer o parto com obstetra que está no plantão do hospital ou então marcar uma cesárea, aí com o médico que fez todo o seu pré-natal. Isso poderia explicar, em parte, a epidemia de cesáreas no Brasil. Em 2010, o procedimento foi usado em 82% dos partos realizados na rede conveniada. Porcentual muito superior ao registrado na rede pública: 37%.
Embora critique a cobrança pelo acompanhamento, Fernandes é favorável à criação de outra taxa: a que garantiria a disponibilidade do médico. "Nenhum profissional fica de prontidão 24 horas por dia durante toda a semana sem receber por isso", justifica.
Ele argumenta que tal pagamento já ocorre de forma indireta, nos partos pagos diretamente pela gestante. "As operadoras deturparam essa relação, pagando apenas pelo procedimento em si." A taxa garantiria a disponibilidade do médico todas as vezes em que fosse necessário, "para o parto de madrugada, de fim de semana ou qualquer outra emergência".

Clínicas britânicas fazem abortos quando mãe rejeita sexo do bebê, diz jornal

Londres, 23 fev (EFE).- Algumas clínicas particulares britânicas aceitam fazer abortos em mulheres que não querem ter o bebê depois de descobrirem o sexo, principalmente no caso de fetos femininos, afirmou nesta quinta-feira o jornal britânico "The Daily Telegraph".

Em uma reportagem feita por meio de gravações com câmera escondida, o jornal relatou como alguns médicos de hospitais particulares consentem fazer abortos motivados unicamente pelo sexo do bebê, prática ilegal no Reino Unido.

Em declarações ao "Telegraph", o ministro da Saúde, o conservador Andrew Lansley, expressou sua preocupação com essa denúncia e disse que começou uma investigação urgente sobre o assunto.

Os repórteres do jornal visitaram, acompanhados de grávidas, as consultas ginecológicas de nove centros de saúde particulares do Reino Unido, nas quais as mulheres tentaram marcar uma operação de aborto por não estarem satisfeitas com o sexo do feto.

Em três das clínicas, os médicos concordaram em fazer a operação a um preço que varia entre 240 a 760 euros e, em uma delas foi oferecida inclusive a falsificação dos papéis do procedimento.

Em um caso, uma mulher, grávida de oito semanas, explicou a uma médica de uma clínica de Manchester, no norte da Inglaterra, que queria interromper sua gravidez porque ia ter uma menina, o que foi consentido pela especialista.

Em outro, uma mulher grávida de um feto masculino de 18 semanas conseguiu marcar um aborto em uma clínica londrina sob o pretexto de que queria uma menina, pois já tinha um menino.

Uma lei britânica de 1967 estabelece a interrupção de gestações de até 24 semanas se a saúde física ou mental da mãe estiver em risco, mas nunca para escolher o sexo do bebê.

Em 2010, na Inglaterra e Gales foram feitas 189.574 operações de aborto, 8% a mais do que há dez anos.

Em 2007, um estudo da Universidade de Oxford indicou que entre 1969 e 2005 aumentaram os casos de escolha do sexo do bebê por meio de abortos, principalmente nos nascimentos de meninas entre a comunidade hindu que vive no Reino Unido

Secreção vaginal é normal? Odor forte e coceira podem ser sinal de infecção


Toda mulher tem uma lubrificação que é natural das mucosas

 
CORRIMENTO shutterstock_74801068.jpg title=

Muitas mulheres têm dúvida se é ou não normal ter secreção vaginal constante. O ginecologista Fabio Leal Laignier Borges, presidente da Comissão Nacional Especializada em Uroginecologia e Cirurgia Vaginal, diz que sim e explica que toda mulher tem uma lubrificação que é natural das mucosas, visto que o interior da vagina é revestido de mucosa. Essa secreção, cuja quantidade varia de mulher para mulher, protege contra infecções, além de garantir a lubrificação durante o sexo.

Mas é importante ter atenção aos sinais que seu corpo apresenta, especialmente em relação ao cheiro da secreção. O ginecologista ressalta que a lubrificação vaginal natural não tem odor e nem prurido (coceira). “Não é normal o corrimento ter um odor ruim ou um prurido intenso. Isso é sinal de vaginose, que acontece quando há uma proliferação de bactérias ou fungos que estão em desequilíbrio. Toda vez que isso ocorrer, a mulher deve procurar um médico”, afirma.

Se houver uma secreção mais intensa, não é necessário se preocupar. De acordo com o ginecologista, no período de ovulação e no pré-menstrual, é natural que ocorra uma elevada secreção muco vaginal.
Para prevenir, a orientação é nunca fazer duchas vaginais, usar roupas íntimas frescas, e evitar produtos com cheiro, pois eles podem diminuir a imunidade vaginal e ser causa de um aumento da vaginose. O uso absorvente diário também não é recomendável, pois ele abafa a área e favorece ainda mais o acúmulo de bactérias.

 
A transposição das águas do rio São Francisco foi prometida pelo governo como a redenção das regiões mais áridas do Nordeste. Por enquanto a gigantesca obra, em custos e dimensões, continua sendo apenas uma promessa, prejudicada por constantes atrasos e falta de planejamento.

A transposição do rio São Francisco é a maior obra de infraestrutura hídrica em andamento no país, e os números são faraônicos. São R$ 8,2 bilhões de custo previsto, 3.908 operários e 12 milhões de pessoas a serem beneficiadas.

A obra está sendo executa duas frentes, ou eixos: o leste, com 220 km em obras, que levará água de Pernambuco à Paraíba, e o norte, com 402 km em obras, que sairá de Pernambuco, passando pelo Ceará, pela Paraíba e chegando até o Rio Grande do Norte.

Canais, túneis e barragens estão sendo construídos, mas apenas 43% dos serviços estão concluídos, bem distante da promessa do governo. “Está previsto a gente inaugurar definitivamente a obra até 2012", declarou Lula em 14 de dezembro de 2010.

No interior da Paraíba, a estiagem é impiedosa. A transposição do rio São Francisco vai beneficiar mais de 2,5 milhões de paraibanos, mas o atraso nas obras desanima. No eixo leste, o canal foi construído até pouco mais de seis quilômetros da divisa de Pernambuco com a Paraíba. Os sinais são de abandono, nada de máquinas e operários. Placas de concreto, que nunca receberam uma gota d'água, estão rachadas. Outras estão totalmente destruídas. Em São José das Piranhas, penas a obra do túnel não está paralisada.

No Ceará, máquinas foram abandonadas em Mauriti, no sul do estado. No Rio Grande do Norte, a obra ainda não saiu do papel. O valor inicial da transposição passou de R$ 4,5 bilhões para mais de R$ 8 bilhões, e serviços terão que ser refeitos.

Em uma lista de recomendações, está a conclusão dos auditores: "O Ministério da Integração absteve-se de agir no momento oportuno, quando deveria ter dado maior celeridade na condução do processo para evitar consequências como a paralisação e o abandono de parte do empreendimento. O Ministério da Integração se absteve de agir no momento oportuno para evitar consequências como a paralisação e o abandono”.

Esse é uma das conclusões de uma auditoria aprovada em julho deste ano. “Todos os dias é acrescida uma coisa que não estava prevista. Todos os dias, aparece mais um problema que também não estava previsto”, diz Raimundo Carreiro, relator do TCU.

Um documento do Ministério da Integração mostra que em Custódia, Pernambuco, o consórcio queria cobrar R$ 51 por metro quadrado de serviço, mas o Ministério constatou que o preço era de pouco mais de R$ 2 o metro quadrado, uma diferença total de R$ 12 milhões.

O problema é que a constatação só veio depois da assinatura do contrato, em abril deste ano. O Ministério afirma que está revendo os custos da obra e que, assim que foi descoberta a diferença, os pagamentos não foram liberados. A empresa paralisou o serviço.

Enquanto as obras das construtoras se arrastam, os serviços feitos pelo Exército já estão prontos no eixo norte e 97% concluídos no eixo oeste.

O Ministério da Integração admite. “Existe problema de gestão do Ministério. Tudo o que não foi feito ou o que foi feito e deteriorou-se, essas empresas vão fazer, porque nós estamos em processo de encerramento de contrato, de rescisão de contrato, de penalização. Elas vão ter que fazer”, diz Robson Botelho, diretor do Departamento de Projetos Estratégicos do Ministério da Integração.

A obra só deve terminar em 2015. A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, que comanda as obras do PAC, atribuiu os atrasos às empresas que abandonaram o trabalho e à complexidade do projeto.

Por meio da assessoria, o ex-presidente Lula declarou que não vai comentar questões administrativas do atual governo.

 

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Caso New Hit vira pauta de audiência na Assembleia Legislativa da Bahia



O crime de estupro cometido por integrantes da Banda New Hit contra duas menores no município de Rui Barbosa, no centro norte baiano, será discutido nesta quarta-feira (12/12), às 9h, na Assembleia Legislativa da Bahia. Promovida pela Comissão de Direitos da Mulher em parceria com a Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres, a audiência pública terá a presença de promotores, defensores públicos e representantes da Secretaria Estadual de Segurança Pública e da Prefeitura de Rui Barbosa.
Segundo a presidente do colegiado, deputada Luiza Maia (PT), há grandes incoerências na forma como o caso vem sendo tratado. A primeira delas é o fato de os músicos terem sido soltos no mesmo dia em que o Ministério Público ratificou a necessidade de mantê-los presos. A segunda incongruência verificada pela autora da Lei Antibaixaria reside no aprisionamento das vítimas enquanto os algozes se encontram “livres e soltos por aí”.
“As meninas estão em outro estado, longe das famílias, convivendo com ameaças. Elas sobrevivem amparadas por um programa de proteção. Na outra ponta, os estupradores posam de pop-stars e retomam a carreira como se nada houvesse ocorrido”, pontua a petista. Para ela, estupro é crime em qualquer situação, seja praticado por quem for. “A sociedade não pode se calar diante desse absurdo. O caso New Hit pode se transformar em um precedente perigoso”, adverte.

Ascom



Equipe prepara as últimas atividades do ano com as mulheres


A equipe da Pastoral da Mulher de Juazeiro está encerrando suas atividades com as mulheres com a preparação de 3 eventos bastante esperados por elas:

Na sexta feira, dia 14, os aniversários de dezembro serão celebrados na sede como de costume mensalmente, já que nos anos anteriores estes aniversários eram celebrados dentro da festa de Natal.


No sábado, dia 15, será realizado o batismo coletivo de mulheres e seus filhos na Igreja do Cosminho, soba celebração de Pe. Raimundo. Após o momento, haverá uma confraternização com pais e padrinhos no auditório da Pastoral da Mulher para celebrar este momento.
 

E no dia 18, próxima terça feira, acontecerá a festa de Natal no Clube de Cabos e Soldados a partir das 14:00h. Na programação acontecerá apresentação do Auto de Natal, dança, mensagens, a participação de padre Raimundo dando sua mensagem natalina e confraternização.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Confraternização da Equipe Pastoral


No dia 08 de Dezembro (sábado) a equipe da Pastoral da Mulher realizou sua confraternização de final de ano.
 
Para encerrar um ano de muito trabalho e dedicação da equipe, nada melhor do que um bom passeio às margens do "Velho Chico" e ao som de uma boa música para relaxar. A equipe optou pelo passeio enoturístico que acontece à 1 ano na região conhecido como Vapor do Vinho.
 
O Vapor do Vinho é uma parceria entre as empresas: Fazenda Fortaleza (Fruticultura de Uva e Manga), Vinícola Terranova (Miolo Wine Group) e o Vapor do Vinho (Barca Rio dos Currais).
O roteiro começou com o traslado rodoviário da orla de Petrolina-PE às 08:30h com destino a barragem de Sobradinho-BA e logo após aconteceu o embarque no porto de Chico Periquito onde realizamos a eclusagem que é um elevador de água de 32,5m para dar acesso ao maior lago artificial em espelho d’água que é o Lago de Sobradinho.

Após navegar cerca de duas horas chegamos à Fazenda Fortaleza onde degustamos de uvas e mangas. De lá o roteiro seguiu para a vinícola Terranova para a visita técnica, onde degustamos de vinhos, espumantes e brandy.
 
 

Marinha promove primeira mulher oficial general das Forças Armadas


A capitão de mar e guerra Dalva Maria Carvalho Mendes, 56, subiu para o posto de contra-almirante --simbolizado por duas estrelas-- após 32 anos de carreira militar.
 
Dalva Mendes deixa a patente de capitão de mar e guerra para assumir o terceiro posto mais importante da Marinha. Com a promoção, estão acima dela apenas os ocupantes do cargo de vice-almirante (três estrelas) e almirante de esquadra (quatro estrelas), atual topo da força.
 
"É uma alegria imensa, uma honra. Estou muito feliz. Espero que eu seja um exemplo [para outras mulheres]", disse emocionada, depois de receber a platina com duas estrelas --correspondente ao seu novo posto, no Hospital Naval Marcílio Dias, no Rio.
 
A Marinha foi a primeira força a aceitar mulheres, em 1980. Dalva Mendes ingressou na primeira turma do Corpo Auxiliar Feminino de Oficiais em 1981.
 
Ela conta que estava no Centro Cirúrgico do Hospital Universitário Pedro Ernesto, da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), quando uma colega chegou com a novidade da primeira seleção de mulheres da Marinha. Na época, lembra que foram mais de 4.000 candidatas inscritas.
 
"Foi uma grande oportunidade que a Marinha abriu para as mulheres, principalmente porque naquela ocasião o mercado de trabalho estava um pouco restrito", conta.
 
Médica anestesista, Dalva Mendes trabalhava atualmente como diretora da Policlínica Naval Nossa Senhora da Glória, na Tijuca, zona norte do Rio. Com a promoção, a contra-almirante ocupará inicialmente um posto na Escola Superior de Guerra, na Urca, zona sul da cidade. Ela não confirma, no entanto, se permanecerá na área da saúde.
 
Viúva e com um casal de filhos, a médica afirma que conquistou hoje seu sonho na carreira militar. "Como toda mulher, eu tenho perfil de mãe e mãe tem todas essas características [general linha dura, disciplinadora, uma pessoa cordial e conciliadora]", disse.
 
Emocionada, a contra-almirante não conteve as lágrimas na hora da cerimônia. "É como se eu estivesse renovando votos de casamento com a Marinha. Aquela noiva ansiosa, feliz, emocionada", diz.
 
A militar afirma que nunca sofreu preconceito na carreira e sempre contou com o apoio dos colegas. Ela diz que alcançou o sonho profissional com "muito trabalho".
 
"Nós precisamos parar com essa mentalidade [de que é mais difícil para a mulher galgar postos superiores]. Estamos mostrando que nós temos capacidade e com certeza teremos o respeito de todos", destacou.

Menopausa da mulher pode influenciar na fertilidade de sua filha

 
Um estudo realizado pela Universidade de Copenhagen, na Dinamarca, mostrou que a fertilidade de uma mulher esta relacionada ao período em que sua mãe entrou na menopausa. A pesquisa avaliou 527 mulheres com idades entre 20 e 40 anos e concluiu que aquelas cujas mães entraram no climatério precocemente (antes dos 45 anos) tinham menos óvulos.
 
Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram a reserva ovariana das voluntárias. Os resultados mostraram que houve uma queda no nível de hormônio anti-mülerriano e na contagem de folículos antrais em mulheres cujas mães tiveram menopausa precoce. “O histórico familiar é sempre muito importante para avaliarmos o risco de alguma doença em qualquer pessoa, por isso é prudente as mulheres estarem atentas a sua reserva ovariana”, esclarece o Dr. Alfonso Massaguer, ginecologista e obstetra.
 
O especialista afirma ainda que a idade é o principal fator que pode comprometer a qualidade dos óvulos, mas a parte genética também tem grande peso. Por isso, se sua mãe entrou no climatério antes dos 45 anos, não se esqueça de realizar exames que definam o estado e o potencial dos seus ovários periodicamente, assim, quando você desejar engravidar, estará livre de sustos. “Estas informações ajudarão as mulheres a definirem melhor o seu futuro reprodutivo, como em que momento engravidar ou congelar os óvulos", conclui o Dr. Alfonso.

Número de mulheres assassinadas por mês no Brasil salta de 113 para 372



MULHERES EM RISCO

O número de mulheres assassinadas a cada mês no Brasil saltou de 113 para 372 em 30 anos. Os índices foram levantados pelo IAB (Instituto Avante Brasil) a partir de dados do Datasus, do Ministério da Saúde.

A CADA DUAS HORAS

No início da década de 1980, uma mulher era assassinada a cada 6h28m28s no país. A escalada da violência fez com que o intervalo diminuísse.
Hoje, a cada 1h57m43s, há uma vítima de homicídio nesta parcela da população.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Equipe da Pastoral da Mulher realiza sua avaliação 2012
 

Nesta semana, nos dias 03 e 04 de dezembro, a equipe de Juazeiro vivenciará a sua avaliação institucional. Todas as agentes prepararam o material de analise de resultados do trabalho, perspectivas e ainda a avaliação realizada com as mulheres atendidas através de entrevistas na sede e locais de prostituição.
O momento contará com a presença de Daniel Reich (assessoria da instituição) e ainda Ir. Ivoni Grando.
Durante os dois dias, a sede ficará fechada para o atendimento ao público e retomará na quarta feira. 

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Alimentos probióticos auxiliam na cura de infecções vaginais

 
Que os lactobacilos colaboram para a flora intestinal funcionar melhor, a maioria das pessoas já sabe. Normalmente consumidos em leites fermentados ou iogurtes enriquecidos, suas qualidades vão além e podem beneficiar, em especial, a saúde íntima das mulheres.
 
Prova disso é uma pesquisa realizada pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP), da Universidade de São Paulo, que mostra como culturas láticas probióticas (conjunto de micro-organismos do leite), em associação com medicamentos antimicrobianos tradicionais, podem aumentar a taxa de cura de infecções vaginais. O estudo foi realizado pelo farmacêutico-bioquímico, Rafael Chacon Ruiz Martinez, com a orientação da professora Elaine C. P. De Martins.
 
Pesquisa
 
As pacientes foram selecionadas e acompanhadas em centros de atendimento à saúde ligados à USP em Ribeirão Preto (SP). “O estudo realizado foi do tipo randomizado, duplo-cego, placebo-controlado de intervenção terapêutica”, explicou o pesquisador.
 
A pesquisa avaliou grupos de pacientes com infecções vaginais: um deles constituído por 64 mulheres diagnosticadas com vaginose bacteriana (VB) e outro por 68 pacientes diagnosticadas com candidíase vulvovaginal (CVV), além de um terceiro composto por 64 mulheres saudáveis (controle) e que, portanto, não sofreu qualquer tipo de intervenção terapêutica.
 
"Em nosso estudo, as pacientes diagnosticadas com vaginose bacteriana (VB) receberam como tratamento dose única do antibiótico tinidazol (2g) e suplementação com duas cápsulas para uso diário (via oral) contendo os micro-organismos probióticos ou placebo, de forma aleatória, durante quatro semanas. Por sua vez, as pacientes diagnosticadas com candídiase vaginal foram tratadas com dose única do antifúngico fluconazol (150mg) e, da mesma forma, suplementadas com os micro-organismos probióticos ou placebo", explica Martinez.
 
Resultados

Ao final do período de pesquisa, as pacientes realizaram consulta ginecológica de retorno e os resultados indicaram que houve aumento da taxa de cura em ambos os grupos de mulheres que receberam os medicamentos tradicionais e suplementação com cápsulas contendo os microrganismos probióticos - em comparação àquelas que receberam medicamentos tradicionais e cápsulas de placebo (87,5% versus 50% para as pacientes diagnosticadas com vaginose bacteriana e 89,7% versus 65,4% para pacientes diagnosticas com candídiase vuvlvovaginal, respectivamente).

A escolha das linhagens de micro-organimos probióticos foi Lactobacillus rhamnosus GR-1 e Lactobacillus reuteri RC-14. Estas cepas são estudadas desde a década de 80 por pesquisadores da Universidade Westerns, do Canadá, e mostram grande potencial para o tratamento e/ou prevenção de infecções vaginais.

Esses micro-organismos probióticos conseguem colonizar o trato digestivo e o epitélio vaginal (um dos tecidos que revestem a vagina). “Eles também podem auxiliar na manutenção do epitélio vaginal saudável por meio da redução da ascensão de patógenos do reto para a vagina e ainda por meio do aumento da imunidade da mucosa intestinal”, diz Martinez.
 
Cautela
 
Os resultados da pesquisa são promissores e foram publicados nas revistas Letters in Applied Microbiology, Microbiology and Immunology, Canadian Journal of Microbiology e Applied and Environmental Microbiology. Porém, devem ser avaliados com cautela, pois envolveram um número relativamente pequeno de pacientes.
 
O pesquisador também relata que houve um baixo número de pacientes que exibiu efeitos adversos, como aumento do apetite, ocorrência de fezes líquidas ou episódios de dor de cabeça persistentes. "Tais sintomas poderiam ou não estar associados ao uso dos micro-organismos probióticos e/ou dos agentes antimicrobianos tradicionais, mas não foi possível concluir sobre este aspecto”, explicou.

Para ele, mais estudos são necessários para esclarecer os exatos mecanismos de ação responsáveis pelos efeitos positivos observados na suplementação com probióticos. É também importante investigar a eficácia do tratamento em casos recorrentes de infecções vaginais.

Hábitos alimentares também influenciam a saúde íntima da mulher


Poucas mulheres se dão conta, mas os hábitos alimentares também influenciam a saúde íntima feminina. Consumir em excesso doces e carboidratos favorece, por exemplo, o aparecimento de corrimento. Por outro lado, alimentos específicos podem ajudar a combater o problema.

“O consumo exagerado de produtos com farinha branca, que se torna glicose no organismo, e de açúcares faz o pH vaginal mais ácido. Isso eleva a produção de bactérias locais, gerando a candidíase e o corrimento, que é uma das principais causas de consulta ginecológica”, explica Poliani Prizmic, ginecologista do Hospital e Maternidade São Luiz, de São Paulo (SP).

Consumir muitos produtos industrializados, com alto teor de gordura ou ricos em leveduras, como cerveja, vinho e vinagre, entre outros, também propiciam condições para o desenvolvimento da doença, segundo Lara Natacci, nutricionista do programa Meu Prato Saudável, do Hospital das Clínicas de São Paulo (SP).

Prevenção e tratamento

Naturalmente, a prevenção e o tratamento para combater a candidíase vão além da alimentação. “O problema é multifatorial e também está relacionado à qualidade de vida, ao estresse e à prevenção nos relacionamentos sexuais”, afirma Poliani Prizmic, ginecologista do Hospital e Maternidade São Luiz, de São Paulo (SP)
 
Ela ressalta a importância do cuidado com a higiene íntima e recomenda o uso de sabonete líquido glicerinado sem perfume. A médica também sugere usar calcinhas de algodão e tirá-las para dormir, para ventilar a região. As lingeries devem ser lavadas, de preferência, com sabão de coco em pedra
“Também é preciso evitar roupas muito apertadas e reduzir o uso de absorventes diários, que sufocam a região íntima”, diz
 
O preservativo é fundamental para evitar a contaminação pelas bactérias e fungos que causam os corrimentos, além de prevenir as demais doenças sexualmente transmissíveis
 
O tratamento da inflamação é feito com medicamentos específicos, incluindo cremes vaginais. “Produtos naturais, fitoterápicos, com lactobacilos, óleo de melaleuca e gel de aroeira também são eficazes”, relata Prizmic
 
“Já cogumelos e vitamina C aumentam a imunidade e, em caso de estresse, podemos recorrer a medicamentos que equilibrem a produção de serotonina, hormônio relacionado ao prazer e bem-estar”, conclui a médica
 
Ela relata que uma nova vertente no estudo da candidíase defende que algumas pessoas podem desenvolvê-la por serem alérgicas a certos alimentos ou elementos químicos que promovem o crescimento do fungo Candida albicans. Entre eles, estão o fermento, o bolor (presente em alimentos como batata, queijos, cenoura, beterraba e alguns tipos de chás), a lactose (em leite e derivados), o glúten e agentes químicos como, por exemplo, conservantes utilizados em alimentos.

“Algumas pesquisas realmente observam uma melhora dos sintomas quando são retirados da dieta alimentos potencialmente alergênicos como glúten, laticínios e frutas cítricas, mas são necessários mais estudos que comprovem esta relação”, observa Natacci.

Cura começa na cozinha

Por outro lado, o caminho da cura também pode começar pela cozinha. Bebidas lácteas com lactobacilos contribuem para reequilibrar o pH vaginal. A vitamina C à base da fruta cranberry é igualmente indicada para este fim, de acordo com Prizmic.

Já quem tem sensibilidade a produtos derivados do leite deve reduzir a sua ingestão ou substitui-lo por leite de soja enriquecido. Estes recursos, aliados a uma dieta balanceada, podem ajudar a restituir a saúde íntima em um mês, segundo a ginecologista.

A nutricionista dá uma dica fácil para equilibrar a alimentação diária. “O ideal é preencher metade do prato com vegetais crus e cozidos. Um quarto do prato deve ser rico em proteínas como carne de boi, frango, peixe ou ovos, com pouca gordura, e pode ser complementado com leguminosas como feijão, grão de bico, soja e lentilha”, orienta.

“O restante deve ter carboidratos de preferência em sua forma integral, como por exemplo, arroz, massas e farinhas, além de batata ou mandioca”, acrescenta. Para o café e lanches, ela recomenda iogurtes, biscoitos de fibras, cereais integrais, torradas e frutas.

A nutricionista acrescenta que algumas ervas são especialmente úteis para a saúde da mulher, ajudando a prevenir alterações orgânicas e a diminuição da imunidade. Alecrim e gengibre têm propriedades antioxidantes, antifúngicas e antiparasitárias. O curry é antibacteriano. O orégano e a canela são antifúngicos, embora esta última deva ser evitada por hipertensas, pois estudos apontam uma possibilidade de aumentar a pressão arterial, segundo Natacci.

Anticoncepcional associado ao cigarro aumenta risco de trombose em mulheres


Levantamento realizado no ambulatório de trombofilia do Hospital de Transplantes do Estado de São Paulo (antigo Hospital Brigadeiro), unidade da Secretaria de Estado da Saúde na capital paulista, mostra que o uso de pílula anticoncepcional, associado ao tabagismo, pode elevar expressivamente as chances das mulheres desenvolverem trombose.
 
O estudo foi elaborado com base nos atendimentos ambulatoriais de 2011. No total, 400 mulheres entre 20 e 45 anos com trombose venosa foram acompanhadas, das quais 180 (45%) fumavam e também usavam o método contraceptivo.
 
As pacientes que não faziam uso de nenhuma destas substâncias corresponderam a 23 mulheres, ou 6%, aproximadamente. As demais 197 usuárias que desenvolveram o problema apresentavam, ainda, outros fatores de risco, mas também já tiveram contato com o fumo e a pílula anticoncepcional em algum momento.
 
A trombose venosa profunda ocorre quando há formação de um coágulo sanguíneo em uma veia do interior de nosso corpo, dentro dos músculos das pernas, por exemplo.
 
A médica hematologista Denise Zahr explica que é como se o sangue formasse uma ‘rolha’ no vaso sanguíneo e não deixasse o sangue circular.
 
Os hormônios dos anticoncepcionais, como o estrógeno e a progesterona, alteram a circulação e aumentam os fatores de coagulação do sangue. Por isso as chances de desenvolvimento de coágulos nestas veias profundas são maiores.
 
De maneira geral, o problema pode estar associado a alterações genéticas, mas é relacionado, principalmente, as dislipidemias (hipertensão arterial e colesterol) e fatores de risco como a obesidade, o sedentarismo e o tabagismo.
 
Zahr explica que este efeito colateral da pílula é informado na bula do medicamento, mas nem sempre as mulheres são bem orientadas pelos especialistas. A combinação do uso do anticoncepcional com o cigarro, ou mesmo a um dos fatores de risco para trombose funciona como uma bomba para o organismo. É extremamente importante que o médico conheça bem a história de sua paciente antes de receitar qualquer tipo de medicação, além de acompanhar de perto o tratamento.
Somente especialistas podem indicar o melhor método de prevenção para cada mulher, conforme sua idade, histórico familiar e condição financeira. Além da pílula, existem outros contraceptivos como o dispositivo intrauterino (DIU). O preservativo ainda impede o contato com as doenças sexualmente transmissíveis.
 
A especialista indica realizar caminhadas e exercícios físicos regularmente, consumir uma dieta equilibrada, evitar a automedicação e abandonar o cigarro, pois são maneiras seguras de evitar a trombose.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Mulheres Borboletas se encontram em Salvador.

O clima do encontro das Mulheres Borboletas em Salvador foi de bastante alegria, partilha e emoção. Estas que participam das unidades do Força Feminina (Salvador) e Pastoral da Mulher (Juazeiro) se encontraram na capital baiana durante os dias 19 e 20 de novembro, vivenciando experiências de reflexão, trocas de histórias e construções.
 
Todas adoraram o momento e disseram que outros encontros devem ser realizados. Após o momento, as mulheres borboletas de Juazeiro ainda fizeram um passeio pelo Pelourinho em companhia da equipe do Força Feminina e depois seguiram em retorno para Juazeiro.

4º Encontro de Alternativa de Renda




Na tarde do dia 27 de Novembro (terça- feira) aconteceu o 4º Encontro do grupo de Alternativa de Renda, acompanhado pela agente Ellen Sabrina.
O momento contou com a participação da Psicóloga Miriam Célia Duarte, que abordou o tema relações interpessoais.
Na finalização do trabalho as mulheres participaram da avaliação grupal, onde puderam avaliar o processo, se avaliarem e levantar sugestões para 2013.

Conclusão do Curso de Camareira em Meios de Hospedagem



No dia 26 de Novembro (segunda- feira), as alunas do Curso de Camareira em Meios de Hospedagem participaram do momento solene de formatura.
A conclusão do Curso aconteceu no Grande Hotel de Juazeiro e contou com a participação dos professores, equipe Pastoral, familiares, assessoria de comunicação provincial (Mário Pires) e representante da linha O Boticário ( Larissa Alencar).
 
O momento contou com depoimentos dos professores e alunas, e foi enriquecido com apresentações feitas pelas mesmas.
O evento foi finalizado com a um vídeo, onde foi recordado a trajetória ao longo do Curso de Capacitação e logo após todos seguiram para o coffe breack.

Veja um pouco mais dos bastidores da Mobilização do dia 25 de Novembro


Making Of da Mobilização em Combate a Violência Contra a Mulher
21,22 e 23 de Novembro de 2012


sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Último Dia de Mobilização no Bairro Dom José Rodrigues



Hoje, 23 de novembro, a Pastoral da Mulher realizou o último dia de mobilização em combate a violência contra a mulher no bairro Dom José Rodrigues. Na ocasião, contamos com a presença e colaboração do Padre Antônio, da Diocese de Juazeiro e Pároco da Igreja do Bairro.
Foram visitadas as escolas do bairro e entregues materiais para os professores, com o objetivo dos mesmos trabalharem a temática com seus alunos e propagar a campanha em suas casas e locais de ensino. A divulgação também se estendeu aos postos de saúde e ao público masculino que se encontrava nas ruas.  
 
 
"NÃO PERCA A FÉ, NEM O SORRISO. LUTE CONOSCO!"

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

2º dia de Mobilização: Residencial São Francisco

 
 
No turno da manhã de hoje, 22 de novembro, a equipe da Pastoral da Mulher e as alunas de Serviço Social continuaram sua Mobilização em Combate a Violência Contra a Mulher.
 
No segundo dia de campanha o bairro visitado foi o conjunto habitacional Residencial São Francisco. A mobilização foi feita de porta em porta nos 1500 apartamentos do conjunto.
 
Também contamos com a cobertura da TV São Francisco, que colheu alguns depoimentos das moradoras do Residencial, da coordenadora da Pastoral da Mulher, Fernanda Lins e um relato de violência sofrida por uma das mulheres atendidas pela Pastoral, dando visibilidade a campanha. 
 

 
 
"NÃO PERCA A FÉ, NEM O SORRISO. LUTE CONOSCO!"

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

1º DIA DE MOBILIZAÇÃO AO COMBATE DE VIOLÊNCIA CONTRA MULHER


Hoje, 21 de novembro, a Pastoral da Mulher de Juazeiro deu início ao trabalho de mobilização em prol do dia 25 de novembro, Dia de Combate a Violência Contra a Mulher. O Alto da Aliança foi o primeiro bairro a ser visitado.
 
Oito alunas do curso de Serviço Social da Universidade Anhanguera foram parceiras na divulgação da campanha.
 

"NÃO PERCA A FÉ, NEM O SORRISO. LUTE CONOSCO!"






terça-feira, 20 de novembro de 2012

Dia da Consciência Negra

 
Dona Sebastiana Maria da Conceição,
homenageou todas as mulheres pelo
20 de Novembro - Dia da Consciência Negra.

“Não perca a fé, nem o sorriso” é tema de campanha contra a Violência à Mulher



Tendo em vista a proximidade do dia 25 de Novembro – Dia Internacional de Luta contra a violência à Mulher, a Pastoral da Mulher de Juazeiro, Unidade do Instituto das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor, estará fazendo entre os dias 21 e 23, a distribuição de material informativo e de incentivo para as mulheres.
De acordo com a convenção Interamericana, realizada em 1994, para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher, “violência é qualquer ato de conduta baseada no gênero que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto na esfera pública, quanto privada”.
Segundo Railane Delmondes – Educadora Social da Pastoral da Mulher, a ação ocorrerá nos bairros, onde, de acordo dados colhidos pela Instituição, acontecem o maior índice de agressão às mulheres e contará com a participação da Equipe da Pastoral da Mulher de Juazeiro e de alunos universitários do curso de serviço social na Universidade Anhanguera.
A distribuição do material da campanha, que tem como o tema “Não perca a fé, nem o sorriso”, será distribuída de porta em porta, com acompanhamento de carro de som alertando à comunidade local, e se dará da seguinte forma: dia 21/11 – Bairro Alto da Aliança, 22/11 – Residencial São Francisco e dia 23/11 – Bairro Dom José Rodrigues, e sempre das 9h às 11h30.
Para a Coordenadora da Pastoral da Mulher, Fernanda Lins, “é preciso conscientizar toda comunidade, principalmente às mulheres, bem como os homens, de que à violência gera danos físicos e psicológicos, e que os órgãos de defesa da mulher estão à disposição para ajudar”.
Para maiores informações a comunidade pode entrar em contato com a Pastoral da Mulher através do telefone: 3611.0699 ou pelo email juasecretaria@oblatas.org.br.

  
Fonte: MárioPires/Asscom Rede Oblata

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES COM O PÚBLICO ATENDIDO

 
Durante o mês de Novembro a Pastoral da Mulher de Juazeiro tem priorizado em suas ações, a Avaliação com o público, referente às atividades desenvolvidas no decorrer do ano, com o objetivo de oportunizar às mulheres o momento analítico referente ao serviço oferecido.
 
A Avaliação tem acontecido na sede da instituição, locais de batalha das mulheres, espaços domiciliares e reuniões comunitárias.
 
A referida ação tem proporcionado além da opinião, dicas e sugestões do público atendido para possíveis atividades a serem realizadas em 2013.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

BA: suspeito de aliciar mulheres deve ter sigilo quebrado


Brasília - A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico de Pessoas na Câmara dos Deputados deve pedir a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico de Carmem Kiechofer, de seu marido, Bernhard Michael Topschall, e das empresas do casal, informou o presidente da CPI, deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA). Eles são suspeitos de aliciar mães e intermediar a doação de crianças pobres no interior da Bahia.
 
Os dois foram convocados para prestar esclarecimentos na CPI em audiência na manhã desta terça-feira, 13, mas se negaram a responder à maior parte das perguntas feitas pelos parlamentares. Eles foram beneficiados por dois habeas corpus, concedidos na segunda, 12, pelos ministros Gilmar Mendes e Ricardo Levandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), que asseguraram o direito de permanecerem calados quando considerassem que as respostas aos questionamentos pudessem produzir provas contra eles.
 
Ao comentar a postura de Carmem de não responder à maioria das perguntas, o deputado Jordy disse considerá-la suspeita. Durante a audiência, ele chegou a dizer que o silêncio estava "ruidoso demais". "Ela não se incriminou porque não disse nada, mas a sensação que fica é que ela tem muito a dizer. Só deixa essa lacuna quem está apavorada de falar alguma coisa. Ela é peça importante [para as investigações]", disse.
 
Ao justificar o silêncio diante das perguntas, Carmem disse que é a "maior interessada nos esclarecimentos dos fatos" e reiterou que só se manifestará perante a Justiça da Bahia.
 
Entre as poucas respostas que deu, a maioria sem ligação direta com as acusações, ela confirmou ser moradora do município de Pojuca, na Bahia, para onde se mudou há cerca de dois anos com o objetivo de montar uma empresa de processamento de tripa natural, atraída por incentivos fiscais. Ela confirmou, no entanto, que até o momento não conseguiu estabelecer o negócio.
 
Carmem nasceu em Porto Alegre (RS) e morou em Salvador, Abrantes e Lauro de Freitas, todos municípios na Bahia. Ela disse ser católica praticante e destacou: "Só estou aqui porque acredito e confio em Deus".
 
A ultima depoente, Maria Elizabete Abreu Rosa, ex-vereadora do município baiano de Encruzilhada, mais uma vez não compareceu à audiência e, segundo os parlamentares, não apresentou justificativa. Há duas semanas, quando também era aguardada para depor na CPI, apresentou atestado médico para explicar a ausência. Ela é suspeita de aliciar mães e intermediar adoções ilegais na Bahia.
 
Ao fim da audiência, a relatora da CPI, deputada Flávia Morais (PDT/GO), informou que Célia Maria de Oliveira Santos, escrivã na comarca de Canudos (BA) também será convidada a depor na comissão. Segundo a relatora, ela é suspeita de ter indicado as famílias de São Paulo que receberam a guarda provisória das crianças do município baiano de Santo Amaro, num processo ilegal de adoção.
 
Ela também lamentou o silêncio dos depoentes. "Lamentamos o não pronunciamento e percebemos, pelo medo e pela aflição dela [de Carmem] e a orientação constante dos seus advogados, que ela estava muito insegura, o que a coloca, já tendo sido indiciada pelo MP [Ministério Público], como muito envolvida nesses acontecimentos", disse.
Combate à violência contra a mulher ganha reforço na Bahia
 

 
Foi publicado no Diário Oficial desta terça-feira, 13, os seis convênios assinados com organizações da sociedade civil para execução de projetos que visam o enfrentamento à violência contra a mulher no estado da Bahia. As propostas foram aprovadas por meio de edital lançado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) e receberão apoio financeiro do Governo do Estado de cerca de R$ 400 mil.
 
A proposta, conforme a titular da SPM, Lúcia Barbosa, é uma contribuição importante para a luta pelo fim da violência sexista. "A ação será muito importante para o fortalecimento da mulher baiana e seu empoderamento verdadeiro", ressaltou por meio de nota enviada à imprensa.
 
Lúcia, que assinou os convênios com as entidades parceiras, explicou que os projetos serão executados no período que envolve os chamados "16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher", mobilização que envolve 160 países e terá início na Bahia na próxima terça-feira, 20.
A programação completa dos "16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher" será divulgada nas redes sociais e disponibilizada nos próximos dias no site www.mulheres.ba.gov.br.
Tráfico de pessoas é maior entre mulheres e crianças
 



O pedido de retorno imediato aos pais biológicos, das cinco crianças entregues para famílias paulistas, em Monte Santo, na Bahia, pela relatora da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico Nacional e Internacional de Pessoas do Senado, senadora Lídice da Mata (PSB-BA), é um dos desdobramentos do caso que ganhou repercussão nacional, ao ser exibido no programa Fantástico, e que configura uma das faces do tráfico de pessoas, assunto de destaque da nova novela da Rede Globo, Salve Jorge, da autora Glória Perez; comprovando a gravidade do problema que atinge, principalmente, mulheres e crianças de baixa renda.
 
A Bahia ocupa o terceiro lugar entre os estados brasileiros com registros de vítimas desse crime, que se divide em três tipos - exploração sexual de mulheres, crianças e adolescentes; remoção de órgãos e trabalho análogo ao escravo -, segundo dados da Secretaria Nacional de Justiça, do Ministério da Justiça. Os outros estados que estão na frente da Bahia são Pernambuco e Mato Grosso do Sul. Nos últimos seis anos, quase 500 brasileiros foram vítimas do tráfico de pessoas em todo o Brasil.
 
Seduzidas por propostas tentadoras para mudar de vida e até de país e pelo ganho de dinheiro fácil, muitas pessoas, sobretudo mulheres - já que a exploração sexual, segundo registros oficiais, é a modalidade mais comum desse tipo de prática, com 70% dos casos - acabam acreditando nos aliciadores e entregam suas vidas a grupos formados em uma rede organizada que ultrapassa fronteiras, cujo único interesse é lucrar com o crime. Estima-se que a atividade ilegal movimente em torno de 30 bilhões em todo mundo, sendo que 10% desse total está ligado à máfia no Brasil, de acordo com dados da ONU.
 
O destino mais comum de vítimas brasileiras é o Suriname, que registrou 133 casos de 2005 a 2011, segundo a Secretaria Nacional de Justiça. Na sequência estão outros países europeus - Suíça, com 127 registros, Espanha, com 104, e Holanda, 71. Mas o crime não se resume ao tráfico de mulheres e adolescentes para o exterior. Recentemente, na Bahia, além do caso das cinco crianças de Monte Santo, investigado na CPI do Tráfico Nacional e Internacional de Pessoas do Senado, uma jovem, de pouco mais de 20 anos, da cidade de Itambé, ficou em cárcere privado, em Salvador.
 
Convidada a sair do interior da Bahia para trabalhar na capital do estado, a jovem ficou por poucas horas em cárcere privado. "Ela mesma, ao perceber que a proposta de trabalho não existia, procurou identificar o número da polícia, então, não durou muito tempo. Tentamos reinseri-la no mercado de trabalho, porque ela não teve necessidade de ter acompanhamento psicológico", conta a coordenadora do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Estado da Bahia, da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), Luiza Mascarenhas de Almeida.
 
O perfil da jovem, de baixa renda e com pouca instrução, é o mais comum das vítimas de tráfico, de acordo com a coordenadora da unidade de combate à prática na Bahia. "São mulheres, de 15 a 27 anos, morenas, negras, geralmente de uma classe econômica menos favorecida. Mas também encontramos casos que não necessariamente são condições tão ruins", esclarece Luiza Mascarenhas de Almeida.
 
Para evitar não cair nesse tipo de armadilha, a coordenadora do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico afirma que as pessoas devem ficar atentas às propostas de mudança de país e ou de emprego com facilidades demais e remuneração acima da média ou de valores exorbitantes. Luiza também orienta que, antes de aceitar qualquer proposta de emprego, é necessário verificar, por exemplo, a procedência do convite, e checar a existência e o registro das empresas.
 
Quando a oferta de emprego for fora do país, o ideal é procurar os contatos do consulado do Brasil para o local onde está sendo oferecida a vaga. Outro cuidado a ser tomado, segundo a coordenadora, é não entregar o passaporte para a pessoa responsável pela proposta de emprego e passar todos os contatos para a família. No Brasil, o mais indicado é procurar, antes de qualquer confirmação de viagem, o núcleo de enfrentamento ao tráfico, para evitar problemas.
 
Na Bahia, as pessoas podem procurar o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Estado da Bahia, localizado na Rua Frei Vicente, Pelourinho. Além de informações para orientar a população sobre como proceder em situações duvidosas de oferta de emprego, a unidade, vinculada à Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, disponibiliza às vítimas de tráfico de pessoas acompanhamento psicológico e reinserção no mercado de trabalho.
 
Quem está no Brasil, pode fazer denúncias anônimas por meio do Disque 100 (nacional) ou por meio do Disque Denúncia Bahia (3235-0000). Para quem está no exterior, as denúncias podem ser feitas através do Portal Consular, do Ministério das Relações Exteriores. As pessoas que estão em outros países também podem procurar o consulado do Brasil no território onde se encontram.
 
Além das unidades que trabalham com a prevenção e acompanhamento de casos, em 2011 foi criada a CPI para investigar casos da máfia do tráfico de pessoas. Até agora, foram realizadas 27 reuniões e quatro diligências. Atualmente, mais de 30 pessoas, entre homens e mulheres, cumprem pena no Brasil devido ao crime de tráfico de pessoas, segundo o Ministério da Justiça.